Os estados Unidos embarcam em uma ofensiva mundial que agora fez o Afeganistão como o seu mais recente alvo de ataque. Foi a primeira vez em que os Estados Unidos utilizaram uma bomba tão potente desde a Segunda #Guerra Mundial, onde junto aos países aliados os EUA derrotaram Alemanha, Japão e Itália. Chamada de ‘mãe de todas as bombas’, a bomba com nome oficial de MOAB GBU-43 é a maior bomba das forças armadas do país e só não é mais potente que as armas nucleares em poder dos Estados Unidos. Gigante, a MOAB coloca medo em qualquer país, com suas onze toneladas de explosivos capazes de fazer um verdadeiro estrago em qualquer centro urbano, matando milhões de pessoas em minutos.

Publicidade
Publicidade

Os Estados Unidos utilizaram a aeronave C -130 para lançar a bomba em território afegão, segundo fontes militares que concederam entrevista a televisão britânica CNN. A bomba é um recurso novo nas forças dos Estados Unidos e foi desenvolvida no momento em que o país atacava o iraque em 2003. Ela nunca precisou ser usada antes e o lançamento dela está preocupando toda a comunidade internacional que não esperava por esse ataque ofensivo dos Estados Unidos.

A bomba foi lançada em um local chamado Achin, que seria um distrito da província de Nangarhar, que fica na fronteira do país com seu vizinho, o Paquistão. Segundo os EUA, o míssil foi enviado para atacar túneis e cavernas de terroristas que vivem na região ligados ao grupo extremista denominado Estado Islâmico.

Publicidade

Não existem notícias sobre feridos ou mortos diante do ataque de uma das bombas mais potentes que os Estados Unidos possui.

Donald Trump foi questionado sobre a bomba lançada no Afeganistão em um evento que ele presidia na casa Branca. Orgulhoso, o presidente disse que a missão foi um sucesso e que neste momento deveria parabenizar a equipe de forças armadas americanas pelo ataque contra o país que já sofreu outros ataques dos Estados Unidos em outras ocasiões. O Afeganistão ainda não se pronunciou oficialmente após o ataque que aconteceu na tarde desta quinta-feira (13).

O general responsável pela ofensiva disse que o intuito do ataque era criar obstáculos para o grupo denominado por ele em uma entrevista como ISIS-K, que seriam os locais onde os terroristas se escondem em um território inóspito do Afeganistão. Esse é o segundo ataque dos EUA em menos de uma semana, que enviou mísseis à Síria após o país sofrer ataque químicos que ainda não foram esclarecidos se foram realizados pelo governo sírio.