Depois que Donald Trump assumiu a presidência dos Estados unidos o país vem tomando atitudes bem ostensivas no que diz respeito ao controle do terrorismo em outros países, como a Síria. Depois de uma investida da Rússia no país libertando a cidade de Mosul que sofreu com o controle de terroristas, os Estados Unidos lançou mísseis contra uma base do quartel do governo sírio acusada de atacar civis com armas químicas proibidas de serem utilizadas em combates desde o acordo de Genebra.

E, parece que Donald Trump não vai parar sua ofensiva por aí, um porta-aviões dos Estados Unidos e sua frota seguem para a Coréia do Norte, que ameaça o Japão com um míssil que pode destruir a capital, Seul, em poucos minutos.

Publicidade
Publicidade

A investida enérgica do presidente dos Estados Unidos para cessar os conflitos mundiais mais conhecidos, como a da Coréia do Norte, pode não ser visto com bons olhos pela China, por exemplo. O país é um dos maiores apoiadores do regime de Kim Jong-un.

O porta-aviões dos Estados Unidos recebeu ordens para se dirigir a península norte-coreana neste sábado (8), após a Coréia do Norte ameaçar países a sua volta como o Japão, novamente com mísseis. As força de segurança internacional americana aproveita para cessar o crescimento exponencial da produção de armas nucleares na Coreia do Norte. A chegada do porta-aviões ‘USS Carl Vinson’ em águas coreanas pode desencadear uma terceira #Guerra mundial, como muitos já estão falando sobre a investida dos Estados Unidos contra a Coreia do Norte.

As ordens recebidas pelo comando responsável pelo porta-aviões é de posição cautelar, pois os EUA não querem começar essa guerra.

Publicidade

Segundo o Pentágono, a intenção é se aproximar das águas da Coreia do Norte para mostrar o poderio militar dos EUA.

A tensão pode aumentar com a chegada do porta-aviões na Coreia do Norte que vive um regime em completa isolação do mercado internacional, sendo a China sua principal parceira comercial e econômica na região. Ao lado dela, está a Coreia do Sul, onde os Estados Unidos mantém milhares de soldados que podem invadir o país vizinho a qualquer momento caso aconteça uma guerra entre os países. O presidente norte-coreano ainda não se pronunciou sobre a aproximação dos Estados Unidos do país, sendo que Kim Jong-un poderá encarar a investida dos EUA como uma ameaça e atacar o porta-aviões da força aérea do país, fazendo com que, as previsões de muitos que acreditam que a terceira guerra mundial possa acontecer em breve se concretize.