A briga entre as operadoras do setor de aviação comercial, em busca da preferência dos clientes, é tão ferrenha que, muitas vezes, os bilhetes são vendidos a preços inacreditavelmente baixos. Essa prática acaba fazendo com que sejam vendidas mais passagens do que os assentos disponíveis nas aeronaves. Quando isso acontece, dá-se o nome de #overbooking.

Neste domingo (9), a prática chegou a limites insustentáveis e teve como saldo a retirada à força de um passageiro de uma aeronave da #United Airlines, antes da decolagem do voo em que ele estava, no aeroporto de Chicago, com destino a Louisville, no estado de Kentucky.

O vídeo mostrando a truculência da operação viralizou na internet nesta segunda-feira (10), gerando revolta e comoção nas redes sociais, além de um pedido de desculpas da empresa.

Publicidade
Publicidade

O passageiro, um médico de 69 anos, foi retirado do voo por oficiais de segurança do aeroporto, a mando da United, após ter se recusado a sair da aeronave, porque havia pago pela passagem e tinha um compromisso inadiável.

Segundo o jornal Daily Mail, os funcionários da United agiram com truculência, arrastando o homem por todo o corredor do avião. A ação provocou ferimentos no passageiro, que saiu de dentro da aeronave todo ensanguentado.

No vídeo abaixo é possível ver a ação dos oficiais de segurança retirando o homem contra a vontade dele:

Posicionamento da empresa

De acordo com informações divulgadas no site oficial, para tentar resolver o problema de overbooking, a United solicitou quatro passageiros voluntários para desistir do voo. Eles receberiam um voo para o dia seguinte e mais US$ 400.

Publicidade

No entanto, ninguém topou.

E empresa então dobrou a quantia para US$ 800, mas os passageiros estavam relutantes em aceitar a proposta oferecida.

A companhia acabou fazendo um sorteio para escolher o passageiro que seria obrigado a sair da aeronave, o que acabou provocando todo o incidente.

O CEO da operadora, Oscar Muñoz, usou as redes sociais para pedir desculpas pela "lambança". Em um comunicado, Muñoz classificou o incidente como "perturbador”.

“Peço desculpas por ter tido que reacomodar estes passageiros", afirmou o dirigente, que prometeu ainda entrar em contato com o passageiro para resolver a situação.

Empresa é achincalhada nas redes sociais

A truculência praticada contra o passageiro gerou comoção nas redes sociais e, no Twitter, muitas pessoas criticaram a postura da United Airlines.

Alguns apontaram a falha como irreparável, sob o ponto de vista corporativo.

Houve também quem tomou as dores do passageiro, respondendo ao comunicado no perfil oficial da empresa na rede social, como a seguidora que lamentou pela agressão e pela reação passiva da empresa, que só abre a boca para pedir desculpas.

Publicidade

"Tente de novo", afirmou Tessa Dare.

O post da United teve 3,8 mil curtidas, 6,4 mil compartilhamentos e 34 mil respostas, a maior parte delas criticando a postura da empresa.

A repercussão negativa ao redor do globo também ganhou as redes sociais:

#homem retirado de avião