Após alguns anos de mais um #Crime de crueldade, a #Justiça foi feita. O caso, que aconteceu na Austrália em 2013, vem ganhando grande repercussão na imprensa local nos últimos dias. Matthew Lee Williamson foi preso recentemente após perfurar o estômago da filha enquanto ele abusava dela sexualmente. Kyhesha-Lee Joughin acabou morrendo. As informações foram divulgadas, nessa quinta-feira (6), pelo portal de notícias ‘News’

Kyhesha-Lee Joughin, que tinha 3 anos na época, morava com o pai e o amigo dele. Ela sofria abusos sexuais constantemente. Em depoimento à Justiça, ele disse que costumava deixá-la trancada no quarto por até 17h seguidas, para que ele pudesse dormir o dia todo.

Publicidade
Publicidade

De acordo com o portal, em uma dos abusos cometidos por Matthew Lee Williamson, ele deu um murro tão forte no estômago da menina que acabou rompendo o seu intestino. O mais impressionante de tudo isso, é que ele não socorreu a menina de imediato. Deixando-a sofrer ferida e com dores que não podia nem se mexer. Durante três dias, o assassino e seu amigo Christopher Kent ficaram se drogando e se recusaram a procurar tratamento médico para a menina. A pequena acabou não resistindo e veio a óbito logo depois do crime.

Em depoimento à Justiça, o pai se disse culpado por não ter socorrido a filha em tempo hábil para salvar sua vida, mas negou ter perfurado seu estômago. A juíza da Suprema Corte Brisbane, Roslyn Atkinson, por sua vez, não aceitou sua resposta e afirmou que ele deveria estar satisfeito na hora que cometeu a brutalidade contra a pequena Kyhesha-Lee.

Publicidade

Ainda de acordo com a juíza, a morte da menina não era inevitável, e seus ferimentos físicos poderiam ter sido tratados

O caso, que foi julgado recentemente, levou o acusado para cadeia. Matthew Lee Williamson foi condenado a nove anos de prisão pelo homicídio.

Muitos choraram quando foram lidos os detalhes da morte da vítima. No qual, apontava que a menina tinha também hematomas profundos no rosto e no corpo.

Após o julgamento do caso, Danielle Joughin - mãe de Kyhesha-Lee, disse que estava satisfeita com a sentença. “Pensar que ele a tirou de mim por despeito e este é o jeito que ele iria tratá-la depois. É nojento”, disse bastante abalada com o caso.

Segundo Danielle, não foi fácil acompanhar o julgamento do acusado de matar sua filha, pois ela teve que reviver todo o sofrimento da época do crime “Sua memória nunca será esquecida, há fotos na parede, estamos sempre falando sobre ela”, afirmou a mãe. #Violência