Uma sequência de assassinatos nos Estados Unidos fez a segurança nacional concentrar suas atenções e investigações em uma gangue chamada #MS-13. Uma série de crimes vem dando espaço ao medo e terror nos estadunidenses.

Desde 2005, a gangue a deixou de ser um problema pra polícia de Los Angeles e passou a ser problema do FBI, a polícia federal norte-americana. Assassinatos em massa vieram ocorrendo no país e o mais recente deles foi na segunda-feira (17), em Long Island, uma ilha que fica ao sudeste do estado de Nova Iorque. Foram encontrados quatro corpos masculinos, três deles eram adolescentes. De acordo com a perícia e a polícia local, as vítimas foram encontradas com marcas de mutilação.

Publicidade
Publicidade

Mas quem é a MS-13 e por que apresentam riscos ao governo americano?

A MS-13 é uma gangue de rua que surgiu em Los Angeles em 1980, formada por imigrantes que escaparam da Guerra Fria, na sua maioria vindo de países como o El Salvador e alguns dos outros membros vieram do México, Honduras e Guatemala. O MS-13 é a abreviação de Mara Salvatrucha, que significa basicamente "Gangue Salvadorenha" ou "Exército de soldados formigas de El Salvador". O número 13 é em referência ao espaço que a letra "M" ocupa no alfabeto.

A gangue ficou conhecida por seus atos de barbaridade, como matar com facão. Por isso, a maioria das vítimas é encontrada mutilada. O objetivo deles é recrutar mais "soldados", como são chamados seus membros. Por isso, eles atuam nas pequenas cidades, nas escolas, para crescer e ser a gangue mais temida do país, onde seu lema principal é "Viver pra Deus, lutar por sua mãe e morrer por sua gangue".

Publicidade

Segundo os dados levantados pelo FBI, a MS-13 está atuando em 46 estados americanos. Ela é considerada pelo governo como "organização criminosa" e foi comparada até com as grandes máfias internacionais.

As duras críticas de Trump a Obama

Nas redes sociais, o atual presidente dos Estados Unidos, Donald #Trump, chamou a MS-13 de "perversa" por causar uma onda de ataques nos EUA. Já o procurador-geral dos Estados Unidos, Jeff Sessions, ressaltou a importância de "exterminar" a gangue.

Ambos aproveitaram para criticar o ex-presidente Barack Obama. Em seu discurso, Trump responsabilizou Obama, culpando pela nova política de imigração que foi aprovado no governo do democrata.

Para o atual presidente, as medidas de "portas abertas" só ajudaram no fortalecimento das gangues. Enquanto isso, o Trump utiliza de um discurso demagógico, aproveitando-se da situação para estabelecer a proibição de imigrantes no país. #Crime