Uma professora foi presa pelas autoridades acusada de enviar imagens sexualmente explícitas de si mesma e praticar atos sexuais enquanto conversava em vídeo com um garoto de 13 anos de idade. A acusada foi identificada como Kara Loofborough, de 26 anos, que era professora na escola Fees College Preparatory Middle School em Tempe, no Arizona, nos Estados Unidos. Conforme informações de mídia local, a mulher foi presa na quinta-feira (20). Segundo informações repassadas pela polícia, a mulher confirmou que praticou os atos ilícitos com o garoto. Ainda, de acordo com a polícia, a acusada relatou que deixou o garoto beijar e tocar em seus seios.

Publicidade
Publicidade

Conforme relatos da polícia, as investigações começaram logo após o pai do garoto procurar uma delegacia de polícia e relatar que estava preocupado com as conversas que o seu filho estava tendo com a acusada. Durante os trabalhos de investigação os policiais descobriram que o menino tinha uma conta na rede social Facebook, onde ele sempre conversava com a acusada através de mensagens e vídeo on-line. Conforme o depoimento do garoto, ele relatou que a acusada se despia para ele por vídeo enquanto conversava com ela por mensagem.

Segundo o garoto, em certa ocasião dentro da sala de aula Kara Loofborough, teria lhe mostrado um vídeo de sexo explícito onde ela aparecia realizando sexo oral em um homem. Por sua vez, a escola enviou uma carta para os pais do garoto logo após a prisão da acusada.

Publicidade

Segundo informações da direção da escola, a professora estava dando aula para alunos da sétima série desde agosto do ano passado. Ainda, de acordo com informações da direção da escola, a acusada teria pedido demissão em 30 de março, alegando "razões pessoais", com vigência para 1º de maio.

"No momento em que ela foi contratada, ela não tinha antecedentes criminais relatados com base na impressão digital do Distrito. As verificações feitas com o Departamento de Segurança Pública do Arizona, não revelaram resultados adversos. Esta situação é extremamente perturbadora para todos, mas devemos continuar a nos concentrar no ensino e aprendizagem para os nossos alunos e para permitir Tempe Departamento de Polícia para conduzir uma investigação aprofundada", relata a diretora da escola.

A suspeita está enfrentando várias acusações, incluindo uma contagem de cada exposição indecente, atraindo um menor para exploração sexual e envio de material obsceno para um menor. #Crime #Investigação Criminal #Casos de polícia