São muitos os laços que unem a Rússia, do presidente #Vladimir Putin com a #Sérvia, a principal e mais forte das repúblicas que restaram da outrora ex-Iugoslávia, que ficou mergulhada em uma sangrenta guerra civil dos anos de 1991 a 2001, preocupando os países vizinhos da região dos Bálcãs, como a Grécia, Bulgária, Turquia e Albânia, os quais ficaram receosos de serem arrastados no turbilhão da carnificina humana ou limpeza étnica, que se instalou nesse período naquela parte do mundo. Tanto é assim que a OTAN – Organização do Tratado do Atlântico Norte - sob forte influência dos Estados Unidos do então presidente Bill Clinton resolveu atacar a Sérvia ortodoxa e o seu Exército. Comentaristas e especialistas em política internacional dizem até hoje que a Sérvia se resignou sob o poderio bélico dos ocidentais, mas não engoliu tal situação, principalmente com a perda do território de Kosovo, que é considerado o “coração religioso e cultural” da Sérvia.

Publicidade
Publicidade

Alguns dizem que é visando o comportamento de defesa, que a Sérvia resolveu negociar 2 divisões do potente sistema antimíssil russo S-300 e também um posto de comando de regimento; entretanto as nações ocidentais dizem que essa decisão dos sérvios só servirá para estimular a corrida armamentista na região. Independente de qual seja a opinião dos outros governos, é fato que os dirigentes da Sérvia discutem nesse momento tanto com a Rússia quanto com a Bielorrússia (país aliado de Moscou), as regras da possível aquisição dos artefatos bélicos por parte do 1º ministro sérvio Aleksandar Vucic.

O governante do país balcânico revelou que manteve diálogo pessoal com o russo Putin e o mesmo ele fez em relação ao seu homólogo Aleksand Lukashenko da Bielorrúsia; entretanto, Vucic disse que até o presente momento não há a definição de nenhum acordo oficial acerca dos S-300.

Publicidade

De qualquer modo, o governo sérvio considera como obrigatória a necessidade premente de dispor a hora que bem entender de no mínimo, duas poderosas divisões dos S-300 somadas de um posto de comando de regimento, o que implicaria em uma decisão que duraria por muitos e muitos anos para a Sérvia.

Vale frisar de que assuntos estratégicos e que envolvem a segurança nacional de mais de uma nação, ainda porque aquela área é um verdadeiro barril de pólvora, não são discutidos para que todos fiquem sabendo. Por outro lado, em janeiro deste ano, Zoran Dordevic, atual ministro de Defesa da Sérvia falou claramente que pretende se sentar em uma mesa de negociações para adquirir o tão desejado sistema S-300 da nação amiga, que é a Bielorrússia. Já no que se refere aos russos, quanto à rodada de negociações com esses últimos não foi revelada nenhuma informação adicional.

Talvez não tenha sido à toa que o primeiro ministro Aleksandar Vucic empreendeu visita à Minsk, capital da Bielorrúsia entre os dias 26 e 27 de janeiro e à Moscou em 27 de março, ambas neste ano. #Russia