Seguidores da religião Testemunhas de Jeová foram proibidos pela Suprema Corte da Rússia de atuar no país a partir da última quinta-feira (20), de acordo com a agência France Presse. Há algum tempo, o Ministério da Justiça apresentou uma ação no Supremo Tribunal declarando que a #Religião ameaça os direitos das pessoas, a ordem pública e até a segurança. O tribunal também classificou-os de organização extremista.

Chocado com a decisão tomada pelo tribunal, a liderança russa das "TJ", Iaroslav Sivoulski, avisou que a organização religiosa vai recorrer. Magoado, Iaroslav reclama que não podia conceber que algo dessa natureza pudesse ocorrer num território tão moderno, onde todo mundo sabe que a Constituição garante a liberdade de culto religioso.

Publicidade
Publicidade

Sem alternativa, os seguidores terão que se dissolver depois que o juiz Yuri Ivanenko, em sentença, afirmou que deverão entregar suas propriedades à Federação russa.

Suspensão das atividades

A comunidade das "TJ" foi acusada de guardar e espalhar literatura religiosa baseada em doutrinas radicais. Por causa disso, o Ministério da Justiça havia interrompido suas atividades argumentando que elas são um risco para o país e vão contra a lei russa por promover e espalhar o extremismo, além de passar mensagens que incitam ao ódio contra outros grupos. Atualmente eles estão proibidos de se reunir ou passar qualquer prospecto na região. À época, o Centro de Direção das TJ, na terra de Vladimir Putin, teve seu nome incluído na lista de organizações religiosas, não governamentais, suspensas pela participação em doutrinas radicais..

Publicidade

De acordo com o porta-voz dos religiosos no país, as acusações judiciais são baseadas numa única acusação, a de que alguns livros e discursos deles estão na lista negra de literatura radical e extrema do território. Balenko também denunciou, na época, a agência "Efe" que essa decisão judicial tiraria a liberdade ao culto de mais de 175 mil seguidores no país.

As disputas

Nos últimos anos, as Testemunhas de Jeová vêm travando várias polêmicas com autoridades do país russo por conta de terem sido denunciados. Eles são donos de 395 centros religiosos no país. Já se tornaram comuns as multas. Em janeiro o líder organizacional na cidade de Dzerzhinsk recebeu multa pela distribuição de material classificado como extremista. Em 2004, o governo russo desmanchou um ramo da organização das 'TJ". Contudo, em 2010, a Corte Europeia de Direitos Humanos julgou uma violação aos direitos da religião. #Russia