Um quadro divulgado por uma comunidade gay, conhecida como grupo #LGBT DiverCity, na cidade de Salerno, sul da Itália, vem gerando muita discussão na internet. Eles decidiram fazer uma versão #gay e exótica de uma das imagens mais conhecida e respeitadas do mundo: o tradicional quadro da #Santa Ceia. A nova versão não foi bem aceita pelos cristãos e vem gerando polêmica no mundo todo.

A famosa foto que o grupo italiano editou é possível ver como se fosse Jesus no centro com seus doze discípulos ao lado dele. Mas a diferença dessa versão para a original são as roupas dos homens que estão no quadro. Na versão dos italianos, os 12 discípulos e também Jesus aparecem nus.

Publicidade
Publicidade

Também podemos observar que Jesus e seus discípulos são retratados como se tivessem se beijando e fazendo sexo. Foi o que muitas pessoas que viram a nova versão do quadro consideraram. A razão da criação de uma nova versão do famoso quadro de Leonardo Da Vinci está ligada a um evento que associação LGBT DiverCity estava divulgando. A festa aconteceria na quinta-feira santa.

Os mais conservadores não gostaram nada dessa divulgação pecaminosa de uma imagem sagrada para os cristão. Políticos estão vendo a possibilidade de censurar a nova foto e tentaram cancelar o evento divulgado pela associação.

Um dos organizadores do grupo DiverCity, Emanuele Avagliano, comentou em um post no Facebook e defendeu o evento: "Estamos apenas reafirmando que respeitamos a opinião alheia, e reiteramos com convicção e força que somo livres para nos divertimos e vivermos da forma que gostamos e acharmos melhor.

Publicidade

Enfatizamos também que a maneira que divulgamos não teve a intenção de desrespeitar, nem ofender e nem blasfemar", explicou o organizador.

Raffaele Adinolfi, que representa o Partido II Popolo della Famiglia, convocou o povo italiano a expressar sua revolta e indignação. Ele convidou a população da cidade de Salerno para demostrar sua indignação com a divulgação do quadro. O partido que Rafaelle pertence é contra o aborto, o casamento gay, se opõe as barrigas de aluguel e também contra o divórcio.

Juízes italianos decidiram no ano passado que se alguém chamar outra pessoa de homossexual não deve ser considerado como ofensivo. No início desse ano, o tribunal de Trento reconheceu como sendo pais de uma criança gerada a partir de uma barriga de aluguel um casal de gays. Mas outra corte surpreendentemente decidiu em janeiro desse ano que um adolescente de apenas 13 anos foi obrigado a frequentar por 12 horas um "centro de jovens" por ele ser "muito afeminado".

E você? Achou que esse quadro trouxe algum constrangimento?