Ocorreu, no último sábado (6), um acidente com um ônibus escolar no norte da Tanzânia que deixou um total de 35 pessoas mortas, sendo 32 crianças, dois professores e um motorista. De início, o número de vítimas fatais era de 29, no entanto, com as complicações dos ferimentos, o número está aumentando.

Tanto os alunos quanto os professores eram da escola primária Lucky Vincent. O ônibus saiu logo pela manhã com destino a uma outra escola, em um município vizinho, onde as crianças passariam por um processo avaliativo para o ensino médio. Segundo as autoridades locais, e com base nos resultados das primeiras perícias, o excesso de velocidade está sendo apontado como uma suposta causa da tragédia.

Publicidade
Publicidade

Para esclarecer um pouco mais sobre o caso, a polícia lançou uma nota explicando em quais condições aconteceu o #Acidente. Eles informam que o ônibus perdeu o controle em um trecho situado a 100 km da cidade de Arusha, local de destino. Naquele momento, a pista estava bastante escorregadia devido a forte chuva. Pelas condições climáticas e a velocidade, as autoridades acreditam que o veículo derrapou ao fazer uma curva. Não tendo nenhuma barreira de proteção na lateral da pista, o ônibus desceu desgovernado a colina e mergulhou em um barranco. As autoridades também não descartam a possibilidade de ter ocorrido uma falha mecânica. Para confirmar as causas, é necessário esperar o fim das investigações.

Assim que o acidente foi anunciado, a tristeza tomou conta dos moradores da pequena cidade.

Publicidade

Nas imagens coletadas pela mídia local, é possível ver os corpos das crianças sendo retirados de dentro do ônibus. Até mesmo o presidente do país, John Magufuli, prestou suas condolências aos familiares das vítimas. Em entrevista, ele classificou o acidente com "tragédia nacional".

Os acidentes automobilísticos são, sem dúvidas, uma das principais causas de morte da população mundial. A Assembleia Geral das Nações Unidas divulgou alguns números que justificam a preocupação das autoridades com a segurança no trânsito.

#Morte