A #adolescente Elizabeth Thomas, de 15 anos de idade, que foi sequestrada por 39 dias pelo seu professor, de 50 anos Tad Cummins, afirma que está apaixonada pelo homem e que quer voltar com ele, segundo um artigo publicado pelo jornal britânico Daily Mail.

Segundo o Departamento de Investigações do Tennessee, ambos desapareceram na segunda-feira, 13 de março, ao investigar o caso à polícia emitiu um mandado de busca e apreensão contra Cummins, que foi estendido em vários estados pela suposta relação sexual com a menor.

Ambos foram encontrados no dia 20 de abril em uma cabana em Cecilville, uma isolada área rural perto da fronteira entre a Califórnia e Oregon.

Publicidade
Publicidade

O professor se entregou à polícia e foi acusado de transportar uma menor para fora do Estado com a finalidade de contato sexual, além do crime sexual contra menor, ele também está respondendo por sequestro agravado, por isso se for condenado ele poderia ficar 12 anos na prisão.

Após ser liberada, a adolescente foi internada em um centro de tratamento especial para vítimas de trauma, no entanto ela se recusa a voltar para casa, afirmando estar apaixonada por seu professor.

Para ela tudo o que aconteceu foi uma divertida e emocionante viagem, e eles não fizeram nada de errado. A menina insiste que ela é "mulher totalmente crescida" e que deve ter o direito de ficar com o homem de 50 anos.

Famílias destruídas

Elizabeth tem vivido em meio a uma vida familiar turbulenta, seus pais se divorciaram e sua mãe enfrenta na justiça crimes contra ela e seus nove irmãos.

Publicidade

Sua mãe Kimberly Thomas, de 48 anos, está proibida de se aproximar dela, após ser acusada por Elizabeth de ter sofrido maus tratos e que foi espancada e jogada da escala pela mãe.

Em contrapartida, a menina que mora com o pai, diz aos amigos mais próximos que não quer voltar a morar com ele, pois segundo ela ele é muito controlador e que não irá perdoa-lo de tê-la separado de Cummis.

Paige Griffith, mãe de um de seus amigos mais próximos, considerada por ela como uma "segunda mãe", disse ao jornal que Elizabeth "não foi ferida fisicamente, mas as cicatrizes mentais levará anos para ser curada"

Cummins, que é casado, contou à polícia que estava com a menina a vários meses antes de fugir, disse ainda que chegou a ser suspenso de seu trabalho quando uma outra aluna viu ele beijando Elizabeth em uma sala de aula.

Então, ele deixou um bilhete para sua esposa Jill, dizendo que estaria "viajando para a praia para limpar sua mente". Após 31 anos de casamento, Jill pediu o divórcio após o marido ter admitido ter relações com Elizabeth #Abuso Sexual #paixão