Os #pais de uma estudante anoréxica de 15 anos, que cometeu #Suicídio, revelam que sua filha não foi ajudada o suficiente. Um caso grave de #anorexia, com final trágico, mas que pode servir de exemplo para outras meninas e também para que autoridades competentes não repitam os supostos erros que cometeram com Pippa McManus. A menina se jogou na frente de um trem cinco dias após ser liberada de uma clínica psiquiátrica. Por essa altura, a menina pesava pouco mais do que 25 quilos e mantinha todos os distúrbios por causa da anorexia.

Segundo os pais, McManus continuava doente quando foi liberada da clínica. Depois de uma discussão familiar, Pippa saiu correndo de casa, gritando: "Vou me matar".

Publicidade
Publicidade

Seu corpo foi encontrado mais tarde, perto de uma estação de trem local.

Os pais Marie e James McManus haviam se manifestado contra a alta da filha da clínica privada, onde o tratamento era financiado pelo serviço público da Inglaterra. Eles sentiram que não havia "escolha": "Pip passou os últimos três anos lutando contra a anorexia, desnutrição, depressão e auto-agressão. Acreditamos que as falhas no cuidado de nossa filha, do começo ao fim, resultaram em sua morte", contou, em lágrimas, o pai da menina durante sessão no tribunal.

James acredita que se tivessem realizado um "tratamento eficaz", eles não precisariam entrar com esse inquérito e Pippa, talvez, ainda estaria viva.

Como tudo começou

Os problemas de Pippa começaram em 2012, quando foi encaminhada para um médico após perder o controle de suas obcessões alimentares.

Publicidade

A menina estaria sempre preocupada com sua dieta e abusava do exercício físico. Sobrevivia com pouca comida e perdia, como consequência, muito peso.

Inicialmente, ela foi tratada pelos serviços locais de saúde mental, antes de ser internada em um hospital, em setembro de 2014. No tribunal, durante o inquérito sobre a sua morte, ficou registrado como Pippa lutou com seu transtorno alimentar, chegando a se auto-ferir, e ameaçou se suicidar durante o período em que esteve internada na unidade especializada.

Uma médica descreveu o caso de Pippa como "provavelmente o caso mais grave" de anorexia nervosa que ela viu, o que resultaria na sua morte.

A mãe de Pippa criou agora uma fundação de caridade para ajudar pessoas com anorexia e bulimia. "Pippa odiava a si mesma. Ela pensava que era a mais feia do mundo. O que quer que disséssemos, não iria fazer diferença porque a anorexia falava mais alto. Precisávamos de trabalhadores de saúde mental para nos acompanhar, mas eles não estavam lá para isso.

Publicidade

Estamos decepcionados com todos", contou Maria McManus, em declarações citadas pelo jornal Daily Mail.

Veja a evolução da doença de Pippa em fotos: