Nesta segunda-feira, 1, o site 'E-Farsas' produziu uma matéria em que afirma que a prisão e espancamento do suposto criador do 'Baleia Azul' jamais ocorreu. O 'E-Farsas' é ligado ao R7, mas apesar de negar que o fato tenha ocorrido, inúmeros outros portais dizem que ele realmente aconteceu. No entanto, como mostra a abordagem do site vinculado ao portal da Record TV, os nomes e as situações envolvidas e noticiadas por alguns desses sites misturariam fatos reais sem muita relação e eles não teriam ligação com o chamado "Jogo do Suicídio".

A matéria começa dizendo que a prisão do criador do 'Baleia Azul' começou a ser noticiada no final do mês de abril.

Publicidade
Publicidade

Algumas reportagens confirmariam o nome do meliante, que seria o russo Philip Budeikin, de 21 anos de idade. A prisão do rapaz teria ocorrido em uma das cidades mais conhecidas da Rússia, Moscou. Ao chegar na cadeia, no entanto, o rapaz teria sido severamente espancado por um grupo de presos. Até fotos do mentor diabólico do 'Baleia Azul' chegaram a ser divulgadas, o que, certamente, fez com que muita gente acreditasse que tal fato era mesmo verdade.

Uma outra notícia, como mostra o 'E-Farsas', alega que, em depoimento, o russo teria sido obrigado a afirmar que era mesmo o criador do 'Baleia Azul', ao mesmo tempo em que era espancado. Para confirmar a situação, detalhes de um hospital são dados e dizem até que os médicos teriam se recusado a atender o adolescente. Um delegado policial da região, identificado como Manel Vanderickz, acabou se compadecendo da história triste do rapaz e, lembrando a ética médica, teria convencido todos a atendê-lo

Mas afinal, isso tudo é verdade ou mentira?

Phillip Bdeikin realmente existe e foi sim preso no ano de 2016.

Publicidade

Na época, ele foi preso acusado de administrar grupos em uma rede social e neles era, sim, promovido o suicídio. No entanto, as reportagem não citavam a expressão em que o jogo é chamada hoje, 'Baleia Azul'. De qualquer forma, o que acontecia com o rapaz e o que é feito hoje não é tão diferente, o que explica a mídia estar chamando-o de criador do jogo do suicídio.

Além disso, após ser preso, como a condição mental do detento não era das melhores, ele foi encaminhado a um hospital para pessoas com problemas psiquiátricos. O resto das informações não têm

qualquer pauta de um grande veículo de comunicação. A parte do espancamento em diante sequer teria acontecido. Nem mesmo o nome do delegado seria real. #Crime