O mundo está em choque, pois LGBTs (lésbicas, gays, bissexuais e transexuais) sobreviventes do campo de concentração da Chechênia estão relatando as atrocidades ocorridas no local. Segundo eles, as pessoas estão sendo torturadas, humilhadas, interrogadas e no final, mortas. Sem a menor discrepância, dó ou piedade.

As autoridades chechenas continuam negando os fatos, mas os rumores de que pessoas LGBTs na região controlada pela Rússia correm sério risco de morte e de perder toda dignidade que possam ter não param de chegar ao mundo. Segundo o site Viajay, esta é uma situação que já ocorre há muito tempo, mas que se agravou, atingindo os homens homossexuais e bissexuais, como também, suas famílias.

Publicidade
Publicidade

Segundo o governo britânico, Ramzan Kadyrov, atual presidente da Chechena, ensaiaria eliminar de uma vez por todas toda a comunidade #LGBT da região, no início do Ramadã. A data que está para acontecer a menos de um mês.

Segundo o Viajay, os sobreviventes homossexuais e bissexuais descrevem detalhadamente torturas a base de espancamentos e choques elétricos e contam que quando conseguem se libertar e tomam o caminho de casa, os militares pedem as famílias para matá-los, como um gesto de sua honra.

Um sobrevivente descreve, inclusive, que uma pessoa que sobreviveu a morte em um desses campos de concentração relatou que as famílias dos prisioneiros também são instruídas a matarem os filhos, pois, se não o fizerem, as autoridades o farão.

"Eles dizem a família para acabar com a vida do seu filho, ou seja, matar", disse um homem, que preferiu não se identificar por questões de segurança.

Publicidade

"As autoridades dizem: 'Ou você faz o serviço ou nós vamos fazer, de uma forma ou de outra, vai acontecer’. Eles dizem a família para ‘limpar e lavar sua honra com sangue’".

Segundo o Viajay, a mesma testemunha relatou que as autoridades torturaram um homem no campo de concentração por duas semanas e que não sabe como sobreviveu. “As autoridades convocaram seus familiares para lhes fazer uma visita e disseram: ‘Seu filho é LGBT’. A família, vendo o filho humilhado pela tortura, rebateu: 'Ele é o nosso sangue, tem família, sendo assim, nós faremos'. Então, seus pais e irmãos o levaram para a floresta, encerraram a sua vida e o enterraram lá mesmo, sem poder sequer dar ao filho um funeral”, disse a testemunha.

O homem terminou o desabafo dizendo que os homossexuais sempre foram perseguidos no país, mas que, no momento, a situação está muito pior, pois, a ordem de “limpar a nação’ os gays está vindo de cima.” #absurdo #Desumanidade