Um homem cujos vídeos se tornaram populares no YouTube, com ele trapaceando os seus filhos, perdeu a custódia deles para sua mãe biológica. Na segunda-feira Rose Hall, a mãe biológica dos dois filhos mais novos de Mike Martin, Cody, de nove anos, e Emma, ​​de 12, revelou que ficou com a guarda das crianças. Os filhos eram os alvos principais das "brincadeiras" de Mike e de sua segunda esposa, Heather. A mãe contou que as crianças estão se recuperando bem e estão regressando a seu estado mais normal, passando como por uma "desprogramação" depois de tudo o que viveram com pai e madrasta.

Rose agradeceu às pessoas no #youtube, que persistiram em tentar tirar as crianças do casal, uma vez que não gostavam nada do que eles faziam com os menores.

Publicidade
Publicidade

"Foi muito desolador e perturbador ver meus filhos abusados", disse Rose. No tribunal, ela ganhou a custódia de emergência das crianças, mas no YouTube, existem opiniões diferentes sobre o conteúdo dos vídeos.

No canal do YouTube DaddyOFive, Mike Martin tem 762 mil assinantes, que se dividem nas opiniões. Para uns, as crianças eram "estrelas" dos vídeos, e para outros eram "vítimas". Foram esses que denunciaram o caso, pedindo a intervenção exterior, que acabou entregando as crianças para a mãe. Os vídeos mostravam frequentemente o pai Martin zombando de seu filho mais novo, Cody, em uma série de incidentes que muitos na comunidade de YouTube têm chamado abusivo, há vários meses.

Um #Vídeo mostrava pai e madrasta convencendo Cody, de nove anos, que ele havia sido adotado para outra família, enquanto o menino desesperado chora e sangra pelo nariz.

Publicidade

O pai ainda justificou que o sangue era falso, mas a verdade é que não convenceu os seus assinantes. Em outro vídeo, ele quebra o X-box do menino, acusando-o de ter pulverizado o seu quarto com tinta, quando ele não o tinha feito. Em todos os vídeos, ele desesperava as crianças, que ficavam muito irritadas e sempre chorando, com frustração. Em um vídeo, Cody ameaça matar-se: "Eu odeio minha vida, apenas me mate", ele grita para o pai.

Depois disso, uma petição online atraiu quase 19 mil assinaturas para que a comissão de proteção de menores investigasse esta família de Baltimore, EUA. Uma queixa entrou na polícia do condado, em 17 de outubro, se iniciando aí uma investigação, que acabou devolvendo as crianças para a mãe. Rose Hall contou que havia perdido a custódia de seus filhos, quando o ex-marido Martin e a nova companheira falsificaram sua assinatura em um documento de custódia, em 2014. Ela alega ter perdido os meninos, de forma ilegal, e que o pai os usava para fazer dinheiro com o YouTube.

Entretanto, Martin e Heather tiraram os vídeos do YouTube e admitiram terem "tomado algumas terríveis decisões parentais".

Publicidade

No entanto, eles garantem que as crianças se divertiam e que estavam sempre ansiosos por saber quantas visualizações rendia cada vídeo.

De acordo com a New York Magazine, o casal fez entre 600 mil a um milhão de reais por ano, a partir do canal. A madrasta, Heather, diz que com esse dinheiro podiam dar uma vida melhor para as crianças e que eles acreditavam que estavam fazendo o melhor para todos. #pais