Recentemente, uma polêmica tomou conta do Brasil, o jogo 'Baleia Azul'. O que muita gente não sabia é que o criador do jogo, na verdade, não seria brasileiro, mas sim um russo. Phillip Budeikin, de vinte e um anos, é apontado como o inventor da disputa bizarra, que envolve cinquenta desafios perversos. O último deles seria mandar que o competidor tire a própria vida. Aos vinte e um anos, Phillip está em uma prisão na cidade de São Petersburgo e, até então, pouca coisa se sabia sobre ele. O rapaz aguarda ser julgado sob uma grave acusação, ser o responsável por fazer diversas garotas tentarem tirar a própria vida. De acordo com uma reportagem do tabloide inglês 'Daily Mail', seriam pelo menos dezesseis meninas.

Publicidade
Publicidade

Entrevista chocante com o criador do Baleia Azul

O rapaz deu uma entrevista ao tabloide e acabou chocando muita gente com o que teria acontecido. De acordo com ele, quem entrou na competição já sabia que o objetivo era morrer. Na conversa com a reportagem, o russo não parecia estar se sentindo culpado da tragédia humana que provocou. Ele ainda garante que as meninas teriam morrido felizes e que estava dando tudo o que elas não tinham até então, como compreensão, calor, o que ele chama de vida real.

Phillip Budeikin continua e diz que as mortas são comparadas por ele a nada, a um verdadeiro lixo, revelando que tirá-las do mundo foi um favor que fez à humanidade. "Eu estava simplesmente limpando a sociedade dessas pessoas. É preciso distinguir pessoas normais de lixo biológico (livremente traduzido da reportagem)", disse ele à reportagem do tabloide britânico, que, é claro, teria repercussão internacional.

Publicidade

Para a polícia, o russo exibia as mortes das garotas como verdadeiros troféus e não teria culpa pelo que fez.

Cartas reveladas e segredos expostos

Mesmo estando preso e tendo atiçado muitas jovens a se matarem, muitas dessas jovens acabaram desenvolvendo um afeto estranho pelo russo. A polícia diz que elas enviam para ele dezenas de cartas de amor. A polícia ainda afirmou que as jovens fazem questão, inclusive, de colocar o endereço onde moram, querendo que o rapaz neurótico vá fazer uma visita à casa delas. Elas tentam esconder esse amor da família, guardam tudo em segredo, mas não imaginavam que a polícia lesse tudo.

Serviço: contra pensamentos suicidas, no Brasil, existe o trabalho do CVV. Para entrar em contato com a instituição basta ligar gratuitamente para o 141. A ligação pode ser feita de qualquer lugar do país. #Baleia Azul #Crime