O jornal português “Público” noticiou, nessa noite (27), que um casal encontrou vários pedaços de vidro dentro de uma lata de alimentos da marca Cem PorCento. Os dois portugueses compraram o produto em uma loja da cadeia de hipermercados Continente, na cidade de Gondomar. Entretanto, o produto já foi retirado de venda por precaução. O casal confessou ao jornal que chegou a ingerir alguns pedaços de vidro, pensando estarem ingerindo sementes.

Foi Leida Rocha quem falou ao jornal português. A educadora infantil, de 57 anos, começou por explicar que, no início do mês de maio, ela e o marido foram até ao Continente de São Cosme, na cidade de Gondomar, um dos muitos supermercados da cadeia do Grupo Sonae, uma das maiores empresas do país, tendo comprado uma lata de sementes germinadas e secas, da marca Cem Porcento

Na semana passada, o casal utilizou finalmente o produto em sua casa.

Publicidade
Publicidade

Durante a refeição, eles se deram conta de que algumas das sementes eram demasiado grandes e duras para mastigar. Nesse momento, Leila tirou da boca uma das sementes e percebeu que, afinal, era um pedaço de vidro aquilo que ela estava tentando comer.

Analisando melhor o seu prato, Leila e o marido, encontraram vários vidros pequenos no meio das sementes e, por isso, correram para o hospital. O médico que os examinou aconselhou-os a estarem vigilantes durante alguns dias, uma vez que poderia algum pedaço de vidro ter ficado alojado no intestino ou no estômago e, assim, provocar o rompimento de um dos órgãos vitais.

Entretanto, o departamento de qualidade da Ignoramus, a empresa dona da Cem PorCento, já confirmou a queixa de Leila e do seu marido. João Silva, o responsável daquele departamento, afirmou ao jornal “Público” que a empresa pediu uma amostra do produto e que essas amostras já estão em um laboratório de forma a serem devidamente testadas.

Publicidade

A Ignoramus afirmou ainda que já falou com o fornecedor e está investigando uma possível contaminação do produto. Entretanto, já foram abertas várias latas do mesmo lote do produto consumido pelo casal e não foi encontrado nada de anormal em qualquer outra unidade.

O Grupo Sonae já tomou medidas de prevenção e pediu que todo o lote daquele fornecedor fosse retirado das lojas Continente para que seja analisado. A empresa comunicou também que está aguardando que os consumidores entreguem a lata que motivou a queixa, também com o objetivo de a analisarem para atestarem se a queixa do casal é ou não é verdadeira.

A ASAE, que é a autoridade que regula a segurança alimentar e econômica em Portugal, confirmou ao mesmo jornal que já recebeu uma denúncia e que a mesma está, nesse momento, sendo analisada. A ASAE confirmou ainda que essa é uma queixa única sobre esse produto. #Polêmica #Alimentação Saudável