É comum que drones iranianos cerquem o Golfo Pérsico. Segundo o capitão do porta-aviões USS George H. W. Bush, para o site Sputnik News, os drones chegam bem perto do porta-aviões quase todos os dias.

Os norte-americanos usam esse porta-aviões para atacar terroristas do grupo Daesh, no Iraque e na Síria. É por meio de drones que o Irã faz a "vigilância" de toda a "movimentação" das tropas dos #Estados Unidos.

É claro que isso acaba deixando os militares norte-americanos bem "irritados". Só que eles não podem fazer nada, já que isso tudo ocorre em água internacional.

Drones sobrevoam porta-aviões desde 2012

Segundo as tropas americanas, os drones sobrevoam o porta-aviões desde o ano de 2012.

Publicidade
Publicidade

E naquela época não eram só os drones. Aviões de patrulhamento P-3F, da força aérea iraniana (que, aliás, consegue levar consigo armas capazes de atingir navios) também pairavam sobre os ares.

O capitão do navio norte-americano, Will Pennington, a aproximadamente uma semana atrás, já havia dito que os drones do Irã são "brinquedos" com potencial de espionagem muito alto.

A cada aparecimento de drones, o porta-aviões aumenta suas defesas.

Os militares, porém, já deixam claro que é bem provável que não haja nenhum conflito entre os drones e o navio.

A três anos atrás, no ano de 2014, o Irã havia anunciado ter recebido "drones-kamikaze Raad", os quais estariam cheios de explosivos e que tinham potencial para serem "bombas" aéreas dispostas a atacarem diversos tipos de alvos.

Só que esses drones são incapazes de afundar um porta-aviões do tamanho do USS George H.

Publicidade

W. Bush. No máximo, eventual explosão poderia atrapalhar pousos e decolagens dos aviões. E é bem isso que os militares temem.

Irã e seus programas "não tripulados"

O primeiro drone do Irã de que se teve notícia foi o Abadil, o qual apareceu em1986. Mais tarde, o #Drone Mohajer surgiu. Por meio dele se conseguia jogar granadas RPG. Esse foi o primeiro drone capaz de atacar alvos.

Em 2016, o Irã mostrou ao mundo um helicóptero não-tripulado, chamado Nazzer. Na atualidade, o governo iraniano fornece esse tipo de equipamento ao Hezbollah e ao Hamas, à Síria e outros.

Para o Comandante iraniano Kioumars Heydari, o Irã tem priorizado tecnologias não-tripuladas.

Alguns especialistas do Ocidente acreditam que após a retirada das sanções, o Irã certamente irá aumentar a procura das tecnologias recentes, como as dos drones mais desenvolvidos, bem como procurará parcerias, especialmente junto aos russos, chineses, indianos e etc. #Irã