De acordo com a rede BBC, o candidato centrista Emmanuel Macron foi eleito presidente da #França neste domingo (7) e, aos 39 anos de idade, se tornou o dirigente mais novo já eleito por aquela nação. Os resultados das urnas mostraram um placar que contou com cerca de 65,5% dos votos dos a favor de Macron, enquanto que Marine Le Pen, candidata de extrema direita, foi escolhida por 34,5% dos franceses.

Além de ser o chefe de estado mais jovem da França, o centrista também se tornou o primeiro presidente desde 1958 – ano da fundação da república moderna francesa – a não concorrer à eleição por nenhum dos dois principais partidos mais tradicionais do país.

Publicidade
Publicidade

Ao saber da vitória, Macron declarou que "uma nova página estava sendo virada na história da França", e fez votos de que este novo trecho que se inicia na memória da nação seja de "esperança e confiança".

Segundo a BBC, o novo presidente declarou que ouviu “a raiva, a ansiedade e a dúvida”, expressa pelo povo francês, e prometeu passar os cinco anos de seu mandato "lutando contra as forças de divisão que minam a França". Ele acrescentou ainda que garantirá que a nação permaneça unida, além de lutar pela defesa e a proteção da Europa como um todo.

Reconhecimento do resultado

A equipe de Emmanuel Macron afirmou que o presidente eleito já foi congratulado pela sua rival Marine Le Pen e ressaltou ainda que os dois tiveram uma conversa telefônica que foi classificada como "cordial".

Em um discurso após saber do resultado das urnas, Le Pen agradeceu aos 11 milhões de franceses que colocaram sua confiança nela e disse que a eleição mostrou a existência na França de uma divisão entre dois grupos, que ela chamou de "patriotas e globalistas".

Publicidade

Além disso, a candidata derrotada conclamou o surgimento de uma nova força política no país, enfatizando que o seu partido (Front National, ou Frente Nacional) precisa se renovar, a fim de iniciar uma "profunda transformação" do movimento político ao qual ela pertence.

Por fim, Le Pen afirmou que desejava a Macron sucesso no enfrentamento dos "enormes desafios" que ele terá enquanto estiver na presidência da França.

Chefes de estado da União Europeia viram a eleição do presidente centrista com "alívio", uma vez que Macron é um forte defensor daquele bloco político-econômico, ao passo que Le Pen defendia a debandada da França do conglomerado em um movimento que ficou conhecido como "Frexit" (contração de France Exit, ou "Saída da França"), em alusão ao que aconteceu com o Reino Unido no "Brexit" (Britain Exit, ou saída do Reino Unido da União Europeia). #Eleições