Um porta-voz do Ministério da Defesa sul-coreano confirmou que autoridades militares do país suspeitam de participação da #Coreia do Norte nos ataques com o vírus WannaCry, que afetaram mais de 200 mil equipamentos em ao menos 150 países desde a última sexta-feira (12).

De acordo com a agência Efe, as suspeitas aumentaram depois que empresas especializadas em softwares de segurança detectaram partes do código do WannaCry em outros vírus utilizados pelo grupo Lazarus. Esta informação fez com que o exército sul-coreano elevasse o nível de alerta contra ataques cibernéticos de 4 para 3 (o nível 1 é considerado o mais alto).

Publicidade
Publicidade

O que é o Grupo Lazarus?

O Lazarus é o grupo responsável pelo ataque contra os sistemas da Sony Pictures em 2014, logo após a estreia do filme "A Entrevista", que satirizava o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un. Também está ligado a um ataque contra uma instituição financeira de Bangladesh, em 2016.

Especula-se que o grupo esteja sediado na China, mas que seja comandado por norte-coreanos. Entretanto, não há qualquer confirmação quanto a isso.

WannaCry

O vírus utilizado nos ataques assume o controle dos equipamentos infectados e bloqueia o acesso, exigindo um resgate em Bitcoin (uma moeda virtual difícil de rastrear). O valor de resgate de cada máquina equivale a US$ 300 (R$ 937), mas não há garantia de que o equipamento voltará a funcionar normalmente após o pagamento.

A infecção pode ocorrer através de e-mails e transferência de arquivos via torrent, por exemplo.

Publicidade

Segundo especialistas, novas variantes do vírus WannaCry continuam sendo desenvolvidas por #Hackers. Então, é prudente manter o computador sempre atualizado e protegido com sistemas antivírus, além de fazer backup dos arquivos mais importantes.

Preocupação global

Entre os 150 países onde se registraram ataques, a China foi um dos mais afetados. Foram infectados computadores de universidades, estações ferroviárias, correios, prédios de escritórios, shoppings e até mesmo sites de serviços do governo chinês.

No Japão, empresas como Nissan e Hitachi relataram problemas em seus sistemas, porém sem grandes impactos. Na Europa, o serviço de saúde britânico também foi afetado.

A Microsoft alertou que os governos devem ficar atentos quanto ao acúmulo de vulnerabilidades em seus equipamentos e preparou atualizações para as versões de seus programas, especialmente para o Windows XP. Ainda não há registros de ataques contra o Windows 10. #Kim Jong-un