De acordo com a Associated Press, a recuperação física sem sequelas de um menino brasileiro que sofreu uma lesão cerebral potencialmente fatal está sendo considerada como um verdadeiro #milagre pelo Vaticano. O fato é responsável pelo prosseguimento do processo de canonização – ato de atribuir o estatuto de santidade a um ou mais indivíduos já falecidos – de duas das três crianças portuguesas que presenciaram aparições da Virgem Maria em Fátima, Portugal, no ano de 1917.

Na fé católica, a canonização ocorre após a beatificação, que é o reconhecimento oficial de que a alma de alguém já está no Paraíso. Se encontrando nessa condição, a pessoa possui a capacidade de interceder (pedir em favor diretamente a Deus) para que uma graça, como uma cura física, seja alcançada em prol de um indivíduo.

Publicidade
Publicidade

A cura que está sendo atribuída aos irmãos portugueses Francisco e Jacinta Marto – pequenos pastores de animais que morreram em 1919 em meio à epidemia mundial de gripe espanhola – aconteceu com o garoto Lucas Batista, atualmente com nove anos e residente do Paraná. Nesta quinta-feira (11), os pais do menino, João Batista e Lucila Yurie, compareceram em frente a repórteres no Santuário de Fátima e compartilharam a história com o mundo todo, que até então era um segredo bem guardado.

Acidente grave

Segundo relatou João Batista, no dia três de março de 2013 seu filho Lucas (naquela época com cinco anos de idade) estava brincando com a irmã Eduarda quando caiu de uma janela com 6,5 metros de altura, batendo a cabeça ao atingir o chão.

A ambulância que prestou o socorro levou uma hora até chegar ao hospital, e no caminho para o estabelecimento médico o menino entrou em coma.

Publicidade

Enquanto era preparado para uma cirurgia de emergência, Lucas sofreu dois ataques cardíacos, e durante a intervenção os médicos encontraram uma lesão cerebral grave – inclusive com perda de material de uma região do cérebro chamada lobo frontal, responsável pela movimentação, fala, escrita e personalidade.

O diagnóstico de Lucas não era bom: os profissionais em medicina disseram aos pais do garoto que ele possuía poucas chances de sobreviver, e se por acaso conseguisse escapar da morte, teria severas deficiências mentais ou até mesmo passaria a viver em estado vegetativo.

Cura milagrosa

João Batista e Lucila Yurie começaram a rezar pela intercessão de Nossa Senhora de Fátima e dos pastorinhos Francisco e Jacinta para que uma cura fosse alcançada, e telefonaram para as irmãs carmelitas de Campo Mourão, no Paraná, pedindo para que elas também orassem por Lucas.

Espantosamente, e contra todos os prognósticos, apenas seis dias depois da cirurgia o menino foi desentubado, acordou totalmente lúcido e começou a falar, querendo saber da irmã.

Publicidade

No dia 11 de março de 2013 Lucas saiu da UTI, e no dia 15, já estava de alta.

João Batista relatou que a equipe de médicos que atendeu seu filho era composta tanto de pessoas religiosas quanto de pessoas que não creem em Deus, e todos disseram a ele que não possuíam explicação para a recuperação do garoto, que atualmente está bem e sem qualquer tipo de sequela.

Segundo a Associated Press, Angela Coelho, freira que liderou o projeto de canonização de Francisco e Jacinta, afirmou que seu escritório foi informado da história brasileira cerca de três meses depois do acontecimento, e explicou que antes de apresentar o caso à Congregação para as Causas dos Santos – prefeitura da Cúria Romana responsável pelo processo de canonização –, era necessário haver um tempo de espera para ter certeza de que a recuperação de Lucas Batista estava mesmo completa, e que era clinicamente inexplicável. #Europa #Religião