Uma das profissões mais difíceis do mundo é trabalhar nas Forças Armadas de qualquer país. Que o diga Hilda Clayton, uma americana que ganhava a vida tirando fotos. Ela acabou falecendo justamente no momento em que fazia o que mais gostava. Ela registrou o exato momento de sua morte. O caso aconteceu há quatro anos, mas apenas agora veio ao conhecimento do público. É o que mostra uma reportagem publicada nesta quarta-feira, 3, pelo jornal 'O Globo'. Hilda estava trabalhando no Afeganistão, quando, por acidente, um morteiro foi disparado. Ela era militar e fotógrafa ao mesmo tempo, prestando serviço para a Defesa Americana.

A foto foi feita no dia 2 de julho de 2014.

Publicidade
Publicidade

Clayton tentava o clique perfeito, quando ela acabou sendo vítima de uma bomba de verdade. O episódio aconteceu na cidade de Laghman, durante o momento em que o Exército americano fazia o treinamento com bombas. A demora na liberação da última imagem da profissional da mídia aconteceu, pois o governo americano investigava o caso. A profissional era natural do estado da Georgia e pertencia ao '55th Signa Company'.

Além dela, outros quatro profissionais do Exército do Afeganistão acabaram se ferindo. Outro fotojornalista, que seria também um soldado afegão, acabou morrendo, assim como a sua colega americana. A última foto da profissional militar foi divulgada nessa semana em uma revista americana voltada às Forças Armadas. O texto lembrava que hoje as mulheres mostravam-se em situações de perigo e também participavam de combates.

Publicidade

A morte de Clayton, de acordo com a revista 'Military Review', simbolizava a força das mulheres e os prejuízos que elas têm ao irem em campos de batalhas, sofrendo o mesmo que os colegas do sexo masculino.

Curiosamente, na data da divulgação da imagem, outras vinte e cinco pessoas ficaram feridas e outras oito faleceram devido a um atentado com bomba perto da embaixada dos Estados Unidos, na capital do Afeganistão, Cabul. As mortes estão sendo investigadas pelo Exército americano.

Tensão entre Estados Unidos e Coreia do Norte e especulação da Terceira Guerra Mundial

Atualmente, o governo do presidente Donald Trump está em uma espécie de nova 'Guerra Fria', mas, dessa vez, o alvo é a Coreia do Norte. Trump não tem aceito a posição do ditador coreano em ficar fazendo testes com armamentos de guerra e quer que ele pare de realizar tais ações. Caso insista, o ditador da Coreia do Norte pode ver o seu território atacado. Por enquanto, o país está tendo apoio da Rússia e de Vladimir Putin. #Crime