O jornal português Correio da Manhã noticiou, hoje (23), que um homem de 57 anos foi condenado a nove anos e meio de prisão por ter assassinado o seu próprio sobrinho. O crime aconteceu em Portugal, na cidade de Aljezur, em 2016, e o coletivo de juízes deu como provado que o réu matou o jovem utilizando uma faca como arma do #Crime. No mesmo processo, um outro homem foi condenado a 1 ano de prisão, mas com pena suspensa por ter tentado evitar que a GNR prendesse o autor do crime.

Foi no dia 30 de junho de 2016 que o crime aconteceu. Nesse dia, #portugal jogou contra a Polônia em jogo a contar para o Europeu de Futebol. Portugal venceu o time adversário e seguiu em frente para a semifinal da competição e, para comemorar, o grupo de familiares decidiu ir petiscar caracóis.

Publicidade
Publicidade

Depois da refeição iniciou-se uma discussão entre Daniel Filipe da Silva Paulino, um jovem com apenas 20 anos e o seu tio, Libertário Paulino, um homem com 57 anos. A discussão transformou-se em uma luta violenta e o tio acabou atacando o sobrinho com uma faca, uma agressão que viria a originar a morte de Daniel.

Depois de ter esfaqueado o sobrinho por duas vezes, em uma delas atingiu o jovem em cheio no coração, Libertário tentou fugir e esconder a arma do crime. Um outro homem de 26 anos, casado com a enteada do autor do crime, também estava armado com uma faca e tentou evitar que a Guarda Nacional Republicana conseguisse prender o homicida, no entanto, ele não teve sucesso e as autoridades conseguiram prender o suspeito e recuperar a arma, ainda ensanguentada.

Depois do crime, Libertário ficou em prisão preventiva.

Publicidade

Em tribunal, optou por não prestar declarações perante o coletivo de juízes e foi agora condenado a 9 anos e meio de prisão. O advogado do homicida falou ao “Correio da Manhã” para declarar que vai recorrer da sentença, alegando que Libertário não estava no local quando o crime aconteceu.

De salientar que a acusação de Libertário Paulino foi reduzida. O homem estava inicialmente condenado a homicídio qualificado mas acabou por ser condenado “apenas” por homicídio simples, uma vez que o Ministério Público não conseguiu provar a premeditação do crime. Entretanto, Libertário vai continuar preso na cadeia de Silvas, no Algarve, onde vai cumprir a sua pena. Embora ele não tenha falado em tribunal, ele disse anteriormente às autoridades que matou o sobrinho porque perdeu a cabeça, tendo descrito o jovem como uma pessoa problemática, provocadora e conflituosa.

O que você pensa sobre esse crime? Acha que o castigo deveria ter sido mais severo? Escreva a sua opinião nos comentários! #adolescente