Através do seu livro oficial, Kate McCann decidiu confessar que, nos primeiros meses após o crime que envolveu a sua filha, ela não teve qualquer tipo de apetite sexual pelo seu marido, dando mesmo a entender que não tiveram nenhuma relação sexual. Tal como informa o site “Flash”, a mãe de #Maddie McCann decidiu revelar esse detalhe intimo para que as pessoas pudessem perceber como esse acontecimento trágico afetou o seu casamento. Ainda assim, e apesar de todos as suspeitas e dificuldades nos últimos dez anos, ambos continuam juntos ao lado dos seus outros dois filhos gêmeos.

Pouco tempo depois de ter anunciado que sua filha estava desaparecida, Kate McCann fez questão de participar em várias coletivas de imprensa, tentando ao máximo que o caso tivesse repercussão internacional que o máximo das pessoas possíveis pudessem tentar encontrar a criança de três anos.

Publicidade
Publicidade

Com toda essa exposição, se sabe agora que Kate perdeu mesmo toda a sua vontade de fazer sexo, mostrando bem o quanto estava sofrendo nos primeiros tempos sem a sua filha mais velha.

“Depois da Madeleine nos ter sido tirada, o meu desejo sexual passou para zero. Não nos concentrámos em nada mais além de encontrarmos Madeleine", contou de forma muito direta Kate McCann no seu primeiro livro após o crime, como garante o site “Flash”. Nesse mesmo livro, que rapidamente se tornou muito polêmico, a mãe de Maddie relatou como ela e o seu marido estavam vivendo sobre uma enorme pressão e ansiedade, não tendo sequer prazer em ler um livro, não conseguindo deixar de pensar que sua filha podia ter sido raptada por um estuprador.

Nas redes sociais, muitos internautas, sobretudo de nacionalidades portuguesas e inglesas, ficaram muito surpresos com a revelação intima e sexual de Kate, garantindo que esse comportamento é normal para os pais que acabaram de perder a sua filha, sem saber quem teria sido o responsável por esse crime. [VIDEO]

Desde as suas primeiras entrevistas até aos dias de hoje, Kate e Gerry [VIDEO] surgem sempre com suas mãos dadas, mostrando bem que continuam muito unidos e que a dor é mútua.

Publicidade

Apesar de já ter passado mais de dez anos desde esse crime, que correu todo o mundo, as autoridades inglesas continuam investigando por mais alguns meses novas provas, tentando, de uma vez por todas, dar uma resposta aos pais e a todo o mundo sobre o que aconteceu mesmo na noite trágica de 3 de maio de 2007, no Algarve, sul de Portugal. #Investigação Criminal