O destino de uma menina de 10 anos que engravidou depois de ter sido violentada sexualmente pelo seu padrasto [VIDEO] está nas mãos de um tribunal indiano, que decidirá se ela pode ter um aborto ou dará continuidade na gestação. Segundo informações de meios de comunicações, a menina está atualmente grávida de cinco meses e teria sido violentada sexualmente várias vezes por seu próprio padrasto, que também é seu tio paterno.

Conforme relatos, a diretoria médica do Instituto de Pós-Graduação em Ciências Médicas (PGIMS) se reuniu na segunda-feira (15) para discutir a situação da jovem. "O conselho médico tomou uma abordagem humanista e decidiu abortar", disse Ashok Chauhan, o superintendente médico do PGIMS.

Publicidade
Publicidade

O aborto não é permitido após 20 semanas na Índia, exceto nos casos em que a gravidez é considerada um risco para a vida da mãe.

A gravidez da menina foi confirmada na última sexta-feira (12), quando a mãe a levou ao médico depois de suspeitar uma suposta gravidez. A menina, então, relatou os abusos que vinha sofrendo para sua mãe e o padrasto foi preso imediatamente. De acordo com a vítima, ela era ameaçada pelo acusado a não contar a ninguém. Segundo relatou o Dr. Raj Singh Sangwan, presidente do Comitê Distrital de Bem-estar da Criança, a menina está atualmente passando por aconselhamento.

Mãe quer que padrasto seja solto

De acordo com a polícia, a mãe da garotinha chegou a pedir aos policiais envolvidos no #Crime que liberte seu marido, pois "não consegue viver sem ele". Para ela, o crime é perdoável.

Publicidade

Outro caso semelhante aconteceu em janeiro deste ano e teve uma onda de protesto pela Índia, quando uma menina de 12 anos foi deixada em estado crítico depois de supostamente ter sido estuprada por um diretor da escola e três professores no leste do país. Casos de violência sexual contra meninas [VIDEO] e mulheres é uma ocorrência frequente na Índia, com pelo menos 34.651 casos relatados só no ano de 2015, de acordo com o National Crime Records Bureau.

No entanto, muitas dessas violações e agressões sexuais não são reportadas. Outra grande indignação ocorreu na Índia no ano de 2012, depois de uma menina de 23 anos ser estuprada em um ônibus em movimento e, mais tarde, morrer no hospital. O ataque levou a multidão a protestos de rua, direcionando o governo a endurecer as penas de prisão para estupradores. Os suspeitos foram presos e condenados por estupro e recebem, hoje, 20 anos de prisão. #Investigação Criminal #Casos de polícia