Invisíveis na maioria das vezes, os sem-teto - pessoas que vivem nas ruas -, simbolizam a personificação do fracasso social. Sem dinheiro, emprego, casa ou família, esses indivíduos costumam passar despercebidos na sociedade.

Contudo, na última segunda-feira (22), moradores de rua saíram do anonimato após socorrerem às vítimas do atentado terrorista na Arena Manchester (Inglaterra), durante show da cantora juvenil Ariana Grande, por volta das 22h30.

Enquanto uma multidão de crianças e adolescentes aproveitavam o show, Steve Jones, 35 anos, e Chris Parker, 33, mendigavam e se preparavam para dormir nos arredores do estádio.

Publicidade
Publicidade

Contudo, a rotina diária virou um verdadeiro pesadelo, quando uma bomba com estilhaços de pregos e outros fragmentos, acionada pelo terrorista Salman Abedi, 22 anos, matou 22 pessoas e feriu outras centenas.

Na ocasião, os sem-teto foram os primeiros a ajudar os feridos no atentado. O caso, reportado inicialmente pela emissora ITV News, comoveu a imprensa dos Estados Unidos e da #Inglaterraveja as manchetes.

Em depoimento à ITV News, o desabrigado Jones disse que dormia no momento da tragédia, quando foi despertado por um intenso barulho - avaliado por ele como sendo fogos de artifício.

Publicidade

Porém, ao ouvir gritos de pavor e observar crianças cobertas de sangue, correndo sem trajetória específica, rapidamente percebeu a gravidade da situação.

Ressaltou que antes mesmo de verificar os ferimentos dos menores, ele limpou o sangue que estava em seus olhos.Depois, ajudou a remover pregos alojados nos corpos das vítimas.

Para Steve Jones, o ato de ajudar ao próximo foi instintivo. Confira a entrevista.

No entanto, o outro mendigo Chris Parker, 33, que pedia dinheiro no momento do atentado terrorista, contou ter visto um “flash de luz” antes da explosão.

O desabrigado ainda ressaltou outro momento dramático vivenciado por ele. Destacou que uma idosa de 60 anos, gravemente machucada na cabeça e nas pernas, morreu em seus braços.

“Ela morreu nos meus braços. Disse que tinha estado com a família”, confidenciou Parker, sem vergonha de admitir ter chorado com o comovente depoimento da mulher, instantes antes dela perder a vida – foto abaixo.

Publicidade

Entretanto, o altruísmo de ambos despertou sentimentos positivos em pessoas de todo o mundo que, ao conhecerem a história através da imprensa, fizeram uma ‘vaquinha virtual’ para ajuda-los financeiramente.

Em apenas dois dias de exposição, já foram doados 36 mil dólares a Chris Parker (117 mil reais), e 26 mil dólares a Steve Jones (84 mil reais). #Mídia #Curiosidades