Mais um crime de violência doméstica está chocando #portugal. O Correio da Manhã noticiou essa tarde (6), que foi encontrado o corpo de uma mulher em um jardim em Viana do Alentejo. A mulher foi esfaqueada pelo marido na rua e o agressor foi imediatamente detido pelas autoridades. O jornal português conseguiu falar com uma pessoa próxima da vítima que contou as razões que levaram aquele cenário sangrento e assustador.

O #Crime aconteceu em Viana do Alentejo, uma vila no interior de Portugal. Na tarde de sábado, uma mulher de 52 anos foi encontrada sem vida e com sinais de grande #Violência, no Jardim Público de Alcáçovas, um dos pontos de encontro daquela localidade.

Publicidade
Publicidade

A vítima chamava-se Maria e terá sido assassinada pelo seu marido.

Algumas testemunhas que estavam perto daquele local confirmaram ao Correio da Manhã o que aconteceu. A senhora estava bebendo o café com a família quando o marido apareceu. O homem perguntou-lhe se ela queria viver com ele ou não. A mulher, de 52 anos, respondeu negativamente e foi aí que o assassino começou a esfaqueá-la. A mesma testemunha disse que a vítima não teve tempo de reação perante os golpes rápidos do assassino.

Entretanto, o CM falou com uma pessoa que era próxima do casal e que contou ao jornal que o casal já estava separado nesse momento. Segundo essa mesma fonte, a mulher estava tentando obter a formalização do divórcio, mas o marido não estava aceitando nada bem a situação.

Entretanto, o corpo da mulher foi levado de ambulância para a morgue do Hospital de Évora, onde será feita a autópsia.

Publicidade

O autor do crime foi detido pela Guarda Nacional Republicana e ficará preso preventivamente pelo menos até ser apresentado a um Juiz na próxima segunda-feira. Como o crime foi presenciado por várias testemunhas, é de esperar que ele fique em prisão preventiva até que o julgamento definitivo seja realizado.

Violência doméstica continua a ser um grande problema em Portugal

Em Portugal, as estatísticas referentes à violência doméstica são assustadoras. Em 2016, esse tipo de crime aumentou quase 2% tendo-se registrado mais de 27 mil ocorrências, das quais se envolveram cerca de 32 mil vítimas. As estatísticas indicam que 80% das vítimas foram mulheres, no entanto, mais de 6000 homens apresentaram também queixa nas autoridades devido a casos de violência.

A justiça portuguesa continua sendo acusada de ter uma mão bastante leve perante os acusados de violência doméstica. Em 2016, foram presas apenas 233 pessoas por esse tipo de crime e foram arquivados mais de 20 mil processos, um número que é bastante criticado pelas associações que prestam apoio às vítimas de violência doméstica no país.