A #Venezuela está enfrentando uma grande crise. No mês passado centenas de milhares de manifestantes protestavam contra o governo do presidente Nicolas Maduro. Pelo menos 37 pessoas morreram na repressão pelas forças de segurança, cerca de 700 ficaram feridos e mais de mil foram presos.

Por que a Venezuela está em crise?

Apesar de ter as maiores reservas de petróleo do mundo, a Venezuela está sofrendo uma recessão profunda, além de uma enorme inflação. Os preços aumentaram cerca de 800 % em 2016, com a previsão do Fundo Monetário Internacional de que poderia superar 2.200% até o final de 2017.

Ao mesmo tempo, a escassez de alimentos e medicamentos está gerando uma emergência humanitária.

Publicidade
Publicidade

As pessoas, forçadas a esperar em longas filas para comprar suprimentos básicos, se deparam muitas vezes com prateleiras de supermercados vazias. Hospitais estão sofrendo carências, desde antibióticos a equipamentos de saneamento básico, como luvas e sabão.

Os atuais #Protestos foram desencadeados por uma decisão da Suprema Corte de retirar poder da Assembleia Nacional, em um movimento destinado à concentrar o poder nas mãos do governo, cada vez mais impopular, de Maduro.

O governo Chávez

Durante décadas, o país era controlado por uma pequena elite e havia extrema disparidade entre ricos e pobres. O presidente Hugo Chávez, eleito em 1999 com a promessa de que iria compartilhar a riqueza do petróleo com os pobres, fez com que o país derivasse 95% das suas receitas de exportação à produtos petroquímicos.

Publicidade

Alimentada pelos altos preços do petróleo, que passou de 10 dólares o barril quando ele assumiu o cargo, para mais de 100 dólares quando ele faleceu, em 2013, Chávez promulgou uma série de políticas destinadas a redistribuir a riqueza. Seu governo nacionalizou partes da economia forçando muitas empresas a deixar o país.

Após a morte de Chavez, Maduro continuou e acelerou as políticas autoritárias e totalitárias.

Como Maduro está lidando com os protestos?

Nesta semana Maduro convocou uma assembleia para reescrever a Constituição da Venezuela. Líderes da oposição dizem que esta é apenas uma tentativa para permanecer no poder, adiando as eleições regionais marcadas para este ano e uma eleição presidencial em 2018.

O governo também está tentando reduzir a liberdades democráticas, restringindo a liberdade de imprensa, aprisionando adversários e impedindo a população de fazer greve.