A perseguição contra os homossexuais está atingindo níveis chocantes na Chechênia. Ontem (2), em um artigo publicado pelo portal “Gaytimes” foi denunciado que a polícia do país está dizendo aos pais dos homens homossexuais para os matarem e que, caso não o façam, então serão os policiais a tratar do assunto com as próprias mãos. O respeitado portal de ativismo LGBT revela essas novas informações depois de uma vítima desses abusos ter dado uma entrevista ao canal de notícias francês “France 24”.

Há já alguns meses que existem relatórios de organizações não governamentais que indicam que o Governo da Chechênia criou campos de concentração para torturar homens homossexuais.

Publicidade
Publicidade

Embora tanto as autoridades do país como o governo russo continuem negando esses fatos, a verdade é que as denúncias continuam aparecendo e dessa vez foi um homem que, alegadamente, fugiu de um desses campos de concentração quem denunciou toda a situação ao canal “France 24” um dos canais de notícias de França.

Àquela estação de televisão, o sobrevivente contou que foi torturado em um campo de concentração, mas que conseguiu escapar. Durante a entrevista, ele fez uma declaração chocante e que vai certamente ser alvo de investigação por parte das organizações de #Direitos Humanos. “Eles estão dizendo aos pais para matarem os seus filhos. Eles dizem que caso não o façam será a polícia a fazer esse trabalho”, revelou. Segundo o entrevistado, a polícia daquele Estado está chamando a esse procedimento de “Limpar a sua honra com sangue”.

Publicidade

O homem relatou ainda a história chocante de um homossexual que foi torturado no campo de concentração durante duas semanas. Depois os policiais chamaram os seus pais e os seus irmãos para os humilharem. No final da entrevista, ele acrescentou que os homossexuais sempre foram perseguidos naquele país, mas nunca daquela maneira tão violenta e humilhante.

Entretanto, tanto o Kremlin como o Governo Checheno continuam dizendo que todas essas histórias não passam de alegações sem sentido e isso, apesar de Ramzan Kadyrov, o presidente do país, ter afirmado publicamente que quer eliminar todos os homens #gay da Chechênia até ao próximo dia 26 de maio, o dia em que começa o Ramadão.

De salientar que foi o jornal Novaya Gazeta quem primeiro denunciou essa situação. Em março esse meio de comunicação social noticiou que 100 homossexuais foram presos e levados para aquilo que é descrito como um campo de concentração moderno.

Entretanto, a organização “Humans Right Watch” confirmou essas informações e acrescentou que foram várias as fontes de confiança que corroboraram esses dados.

Na comunidade internacional tem sido poucas as vozes a levantar-se contra esse problema. O Governo Britânico tem sido o mais crítico. Tendo sido um dos poucos países que já condenaram publicamente esses atos bárbaros. #Homofobia