No domingo, dia 14 de maio, desafiando as ordens para reduzir seus testes de mísseis balísticos, a Coreia do Norte disparou mais um míssil que atingiu o mar perto da Rússia.

Uma série de testes de mísseis norte-coreanos este ano - que são proibidos pela ONU - despertou o alarme internacional e aumentou as tensões com os #EUA.

O ministro da Defesa do Japão, Tomomi Inada, disse que este poderia ser um novo tipo de míssil. O balístico voou por 30 minutos antes de cair entre a costa leste da Coreia do Norte e o Japão, segundo um oficial norte-americano, sob anonimato, avaliou que o míssil pousou 97 kg ao sul de Vladivostok.

Este foi mais um míssil de médio alcance da Coreia do Norte testado com sucesso na mesma região.

Publicidade
Publicidade

Segundo o Embaixador dos EUA na ONU, Nikki Haley, o lançamento foi uma mensagem de Pyongyang para a Coreia do Sul após a eleição do presidente Moon Jae-in, que assumiu o cargo na quarta-feira. Segundo Haley, Kim Jong-un está num estado de paranoia, preocupado com tudo ao se redor. Ainda acrescentou que os EUA continuarão pressionando a Coreia do Norte mencionando as sansões junto à comunidade internacional.

Haley ainda disse que o lançamento não foi o caminho para a Coreia do Norte ganhar a reunião com Trump, conforme havia sido especulado.

Trump disse que a Reuters em abril que um “grande, grande conflito” com o país seria possível, mas que era preferível um resultado diplomático. No sábado, 13 de maio, um alto diplomata norte-coreano disse que Pyongyang estava aberto ao diálogo com Trump sob as condições certas.

Publicidade

O presidente Moon Jae-in realizou seu primeiro Conselho de Segurança Nacional em resposta ao lançamento, apontando como clara violação das resoluções do Conselho de Segurança da ONU, que deve se reunir nesta terça-feira para discutir sobre o teste.

Segundo Moon, a Coreia do Sul permanece aberta a diálogo com a Coreia do Norte, porém, apenas quando Kim Jong-un mostrar mudança na atitude.

O Comando do Pacífico dos EUA disse que está avaliando que tipo de míssil foi disparado, mas que não era um balístico intercontinental, avaliando que a ameaça aos EUA não mudou do ponto de vista nacional.

Porém, segundo Jonathan McDowell, do Centro Harvard Smithsonian para Astrofísica, "o lançamento pode realmente representar um novo míssil com um longo alcance, referindo-se à altitude estimada de mais de 2.000 km”. Segundo ele, "é definitivamente preocupante".

A Casa Branca mencionou a Rússia em sua declaração ao teste anterior, mencionando que os russos não estejam satisfeitos, já que o míssil caiu mais perto da Rússia do que do Japão.

Publicidade

Trump pediu sanções urgentes contra a Coreia do Norte, enquanto a China ainda está avaliando quais serão as sanções.

O porta-voz do presidente russo, Dmitry Peskov, disse a jornalistas que Putin e o presidente chinês Xi Jinping haviam discutido a situação na península coreana, incluindo os recentes testes, expressando preocupações sobre as crescentes tensões.

A China, única aliada da Coreia do Norte que se opõe a seus programas de armas e pediu contenção dos testes constantes.

"A China se opõe às atividades de lançamento relevantes da Coreia do Norte que são contrárias às resoluções do Conselho de Segurança", disse o ministro das Relações Exteriores da China em comunicado. #Russia