De acordo com a CNN, uma tradutora do FBI viajou para a Síria e ao invés de cumprir a missão para a qual foi designada, que era investigar um integrante da organização terrorista #Estado Islâmico, acabou se casando com o extremista e ainda e o avisou que ele estava sendo investigado.

O insólito caso aconteceu em 2014, mas foi mantido em segredo por ordem de um juiz dos Estados Unidos. Somente nesta segunda-feira (1), com os registros das acusações sendo abertos, é que a história envolvendo a ex-agente Daniela Greene, atualmente com 38 anos de idade, e o rapper alemão Denis Cuspert, que se radicalizou e se tornou um recrutador do Estado Islâmico, quando passou a se chamar Abu Talha al-Almani, veio à tona

Ações e arrependimento

Greene, que é fluente no idioma alemão, nasceu na Checoslováquia (nação que foi extinta em 1992 e se dividiu em dois novos países: República Checa e Eslováquia), e em 2014, preencheu um formulário de viagem para o exterior – obrigatório para funcionários do FBI – afirmando que iria para a Alemanha por motivos pessoais e férias, com o intuito de visitar seus pais em Munique.

Publicidade
Publicidade

A ex-agente embarcou em um voo internacional no dia 23 de junho daquele ano, mas ao invés de se deslocar para o destino declarado foi para Istambul, na Turquia, e viajou para a cidade de Gaziantep, a cerca de 32 km da fronteira com a Síria, onde contatou um homem – chamado pelo FBI de "Indivíduo A", e identificado pela CNN como sendo o próprio Denis Cuspert – que a ajudou a atravessar ilegalmente a fronteira.

Uma vez dentro do território sírio, Greene, que na época ainda era esposa de um soldado americano, se casou com o rapper.

Segundo a CNN, Daniela Greene pareceu se arrepender de suas ações algumas semanas após o casamento, pois fugiu de volta para os Estados Unidos, onde foi presa imediatamente. Uma vez em território americano, ela se declarou culpada por fazer afirmações falsas envolvendo #Terrorismo internacional, e foi sentenciada a dois anos de detenção.

Publicidade

Após cumprir a pena em uma prisão federal, Greene foi libertada no ano passado, e atualmente, trabalha como recepcionista de um hotel.

O rapper que se tornou terrorista

Denis Cuspert, o homem com quem a ex-agente federal se envolveu, era conhecido na Alemanha pelo seu nome artístico, Deso Dogg, e após um acidente de carro que quase lhe custou a vida, converteu-se ao islamismo em 2010, quando adotou o nome Abu Talha al-Almani e passou a fazer recrutamento online de novos integrantes para o Estado Islâmico.

Ainda de acordo com a CNN, Cuspert elogiou Osama Bin Laden em uma de suas canções, ameaçou o ex-presidente Barack Obama e inclusive já apareceu em um vídeo promovido pelo Estado Islâmico onde segurava uma cabeça humana recém-decepada

Em fevereiro de 2015, o governo americano rotulou o agora chamado Abu Talha al-Almani como "terrorista global especialmente designado", uma denominação atribuída a pessoas ou entidades que representam risco significativo de cometimento de atos de terrorismo. #EUA