A prática sexual entre um homem (ou mulher) e uma criança é considerada pedofilia. Contudo, esse tipo de crime existe em todos os países do mundo, e o Brasil não é exceção.

Dessa vez, o vídeo do casamento entre uma menina de 14 anos e um homem 20 anos mais velho, em uma mesquita na cidade de Melbourne (Austrália), em setembro passado, repercute nos principais jornais do Reino Unido, nesta segunda-feira (22) – veja as manchetes.

O filme da bizarra cerimônia, liberado ao público pela Justiça australiana somente hoje, exposto inicialmente pela emissora do país 7 News Sydney, mostra a adolescente em uma pequena sala situada na parte de trás da mesquita – templo dos muçulmanos –, à espera do sujeito que ela havia conhecido há poucos dias.

Publicidade
Publicidade

No decorrer do vídeo, o líder espiritual da mesquita, Imã Ibrahim Omerdic, 61, responsável por casar os dois, pergunta à jovem se ela aceita viver junto ao homem adulto, “de acordo com as regras do Islã”.

Ao responder “sim”, o Imã a declara esposa de Mohammad Shakir, 35 anos (atualmente), e ainda ressalta que ela terá de “obedecer” ao marido - deixando subentendido a obrigatoriedade da relação sexual.

Conforme a emissora australiana, os pais ofereceram a garota a Shakir em troca de um colar de ouro avaliado em 1.480 dólares.

A polícia achou a gravação no telefone celular do sujeito, que passou seis meses na prisão, aguardando o processo judicial, adiado novamente para setembro deste ano.

Além dele, Ibrahim Omerdic, acusado de realizar o casamento forçado, está preso desde novembro.

“Ele foi demitido depois que ele foi preso em novembro e sua licença de casamento foi revogada.

Publicidade

Seu advogado disse que a defesa vai contestar se houve um casamento e se havia alguma intenção de realizar uma cerimônia de casamento”, destaca a jornalista Rachel Roberts (Independent) - assista ao vídeo.

Casos de pedofilia são frequentes na Austrália

De 2014 até 2017, houve 57 denúncias de crianças em cerimônias matrimoniais no país, cuja idade mínima para isso é de 18 anos.

Porém, a imprensa não informa se esses rituais aconteceram exclusivamente em mesquitas muçulmanas, ou em templos de outras religiões.

Apesar da norma estabelecer a idade de 18 anos para uniões oficiais, o casamento envolvendo meninas com 16 ou 17 anos pode acontecer caso haja situações e circunstâncias “excepcionais”.

Pesquisas recentes informam que de 2014 até este ano, 34 menores com idade de 16 e 17 anos haviam se casado.

Publicidade

Já, outras 12 meninas entre 14 e 15 anos também se tornaram “oficialmente” esposas.

Entretanto, há relatos de casos ainda mais escabrosos, envolvendo quatro crianças com menos de dez anos de idade, em cerimônias arranjadas na Austrália. Menores na faixa etária de dez a 13 anos também participaram de matrimônios.

Na Austrália, casamentos envolvendo menores de idade foram criminalizados apenas em 2013. Portanto, a polícia não pode processar todas as ocorrências antes desta data.

“No entanto, o número de casos investigados pela Polícia Federal duplicou no ano passado para 69”, declara Rachel Roberts.

No Brasil, basta telefonar para o número 100, para informar a prática de abuso sexual infantil. #Mídia #Curiosidades #Crime