Segundo dados da própria agência espacial americana, NASA, a decisão do presidente americano Donald #Trump de retirar os Estados Unidos do acordo climático de Paris foi correta.

Durante o ano de 2015, uma pesquisa realizada pela NASA demonstrou claramente que a camada de gelo, que reveste o continente antártico, estava se expandindo, refutando todos os defensores do #Aquecimento Global, os quais alegam o derretimento das calotas polares por culpa do homem.

"Um novo estudo da NASA diz que o aumento da acumulação de neve na Antártida começou há 10.000 anos, e que a mesma continua se acumulando no continente a fim de superar as perdes aumentadas de suas geleiras desbastadas [...] A pesquisa desafia as conclusões de outros estudos, incluindo o relatório do Painel Intergovernamental sobre as Mudanças Climáticas (IPCC) 2013, o qual diz que a Antártida está perdendo gelo globalmente", admitiu a agência.

Publicidade
Publicidade

Ainda, de acordo com a nova análise de dados de satélite, a camada de gelo da Antártida mostrou um ganho líquido de 112 bilhões de toneladas de gelo por ano de 1992 a 2001.

Também, dados recentes fornecidos pelo Serviço Canadense de Gelo mostraram que a camada de gelo da Groenlândia aproximou-se de um recorde, relatando que o gelo marinho teve um aumento mais de 300 mil milhas quadradas (aproximadamente 4,8 milhões de quilômetros quadrados).

"Os idiotas úteis da imprensa, que relatam o clima, continuam insistindo que o Ártico está derretendo e se aproximando de uma catástrofe", escreveu o climatologista Tony Heller. "Atualmente, a extensão do gelo no mar do Ártico é normal e a Groenlândia adquiriu uma quantidade recorde de gelo neste inverno". Tudo isso demonstra que não existe o tal 'aquecimento global' causado pelo homem, aquecimento que estaria derretendo o gelo da Antártida desde o século XX.

Publicidade

O objetivo do acordo climático de Paris é totalmente político, tratando-se apenas de globalistas tentando assustar a população mundial com o aquecimento global, dizendo que o problema é demais para que seus países lidem sozinhos sem a ajuda da #ONU, a fim de expandir esta última à custa das soberanias nacionais, aumentando seu poder de controle sobre o mundo. Isso também permite que os globalistas exerçam controle sobre as economias mundiais, incapacitando, propositalmente, países produtivos, como os Estados Unidos, de serem prósperos e manterem sua independência de órgãos globais.