Um advogado foi acusado, em tribunal, de ter estuprado um homem inconsciente. O alegado agressor é um advogado ucraniano, e o incidente aconteceu durante o festival de cerveja Oktoberfest, em Munique, na Alemanha. O caso só agora foi julgado, mas surpreendentemente o suposto agressor foi ilibado de qualquer pena de cadeia. Em sua defesa, Sergeii C disse que não era gay.

Dois jovens espanhóis testemunharam os abusos sexuais desse homem e até filmaram o incidente, o que serviu de prova em tribunal. No entanto, o juiz teria entendido que os dois homens estariam demasiado alcoolizados. Dessa forma, o criminoso sexual foi desresponsabilizado por um crime como esse.

Publicidade
Publicidade

O agressor foi descrito em tribunal somente como Sergeii C, por causa das leis mais rígidas de privacidade da Alemanha, que proíbem a identificação de agressores e de vítimas. De acordo com o jornal The Independent, este homem de 38 anos era advogado e tinha nacionalidade ucraniana, enquanto que a vítima era um homem de 32 anos, de nacionalidade americana.

Acusado de ter abusado sexualmente do outro homem, que estava inconsciente por excesso de bebida, este advogado disse não se lembrar de nada. Ele revelou que tinha tomado dez taças de cerveja e que não tinha memórias do que aconteceu. Ele negou ser #gay e, por essa razão, falou que não sentiria qualquer apelo para abusar de um homem. Sergeii C disse sempre que não podia explicar suas ações ou lembrar do incidente.

No tribunal, ficou revelado que ele forçou a sua vítima a praticar um ato sexual, junto de uma barraca de cerveja, no festival alemão.

Publicidade

Dois espanhóis filmaram, mas pensavam que se tratava de um assalto. Inicialmente, eles pensavam que Sergeii estava tentando roubar a vítima adormecida. "Ele pegou a vítima, tocando na frente das calças de couro. Pensamos que, a princípio, era um assalto. Mas então ele fez movimentos claros que nos surpreenderam", revelou um dos espanhóis, em tribunal, confirmando a cena que haviam assistido.

O ucraniano confessou seu crime, antes de dizer ao tribunal: "Eu tinha bebido pelo menos uns seis litros de cerveja. Não posso explicar isso a mim mesmo. Eu não sou homossexual". Assumindo sempre que ele seria incapaz de forçar alguém a um ato sexual, ele acabou revelando que "nunca teria feito nada", a menos que ele acreditasse que o homem tinha consentido.

A verdade é que sua desculpa foi validada em tribunal e o homem acabou sendo perdoado, saindo sem condenação.

Esse não é um caso único de #Abuso Sexual cometido durante esse festiva de cerveja da Baviera. Na Oktoberfest do ano passado, 31 crimes sexuais foram reportados, 21 a mais do que os casos em 2015, apesar do evento atrair o menor número de visitantes em quinze anos. #Estupro