O caso aconteceu nos Estados Unidos, em Massachusetts, no dia 13 de julho de 2014. Mas Michelle Carter, 20 anos, só foi condenada nesta sexta (16). Ela foi acusada de cometer homicídio involuntário, após a polícia descobrir mensagens de texto em que a jovem estimulava o namorado a cometer o suicídio. As informações são do portal Terra.

Por mensagens de texto, Michelle Carter dizia ao #namorado que, cometendo o #Suicídio, todas as preocupações que ele tinha no momento iriam acabar e ele, ao final de tudo, seguiria para o 'paraíso'.

Entre várias mensagens trocadas pelo casal, juntos eles articulavam como seria cometido o ato.

Publicidade
Publicidade

De acordo com a acusação, a jovem convenceu e pressionou Roy a cometer o suicídio, que já havia adiado o ato, mas Carter tinha o repreendido.

Em umas das mensagens encontrada pela polícia, a jovem questiona o namorado sobre sua indecisão de não ter certeza de querer cometer o suicídio.

A polícia encontrou ainda, no mínimo, quatro mensagens em que Carter insiste na ideia de que Roy tem que se matar.

Quando o namorado diz que talvez cometa o suicídio, demonstrando um indecisão sobre o ato, Carter retruca dizendo que assim ele só tornará as coisas mais difíceis para ele e conclui dizendo novamente que ele tem que se matar.

Conrad Roy morreu após inalar monóxido de carbono. O corpo foi encontrado dentro de uma camionete.

O juiz Lawrence Moniz, ao ler a sentença, destaca o fato da jovem conversar com o namorado por mais de 40 minutos ao telefone enquanto ele cometia o ato.

Publicidade

Ressaltou também que Roy dizia estar com medo e que chegou a sair da camionete que já estava contaminada, mas Carter o aconselhou a voltar para dentro do veículo.

Mesmo acompanhando o suicídio do namorado, Michelle Carter não avisou os familiares de Roy nem chamou a polícia. A sentença do caso será anunciada em agosto. Segundo a promotora Maryclare Flyn, a jovem manipulou Roy com o intuito de atrair atenção como “a namorada de luto”. Com a #Morte do namorado, ela publicou mensagens nas redes sociais lamentando o fato e conseguiu, na época, arrecadar dinheiro em seu nome para conscientizar as pessoas sobre saúde mental.

O advogado de Carter, Joseph Cataldo, descarta a possível culpa da jovem alegando que, além de não ser crime ajudar alguém a cometer o suicídio em Massachusetts, Carter não estava presente fisicamente quando Roy atentou sobre a própria vida.

Ainda segundo a defesa, Roy sofria de depressão e já tinha tentado suicídio antes de namorar com Carter.

A sentença será divulgada em agosto. Se Michelle Carter for realmente condenada, a sua pena poderá chegar a 20 anos de prisão.