Em maio deste ano, a Blasting News publicou matéria relatando que um atirador de elite britânico conseguiu atingir um combatente do Estado Islâmico com um tiro preciso em seu pescoço a 2,4 km de distância. Por mais impressionante que o ato tenha sido, outro sniper, só que desta vez canadense, superou aquele feito em mais de um quilômetro, matando mais um integrante da mesma organização terrorista com um disparo feito a inacreditáveis 3.540 metros (3,54 quilômetros) do alvo.

A façanha, realizada durante uma operação militar no Iraque, foi registrada em vídeo e confirmada em nota pelas Forças Armadas do Canadá, que relataram que o atirador pertence à unidade conhecida como Joint Task Force 2 (JTF2, ou Força-Tarefa Conjunta 2).

Publicidade
Publicidade

Isso torna o sniper o detentor do recorde mundial do disparo mais distante já feito na história militar a matar uma pessoa.

Os oficiais canadenses não divulgaram o nome do soldado (que foi auxiliado por um colega na função de observador) e nem a data precisa do incidente, alegando que a retenção dessas informações é necessária por motivos de "segurança operacional" e para preservar a integridade de seus funcionários e parceiros da coalizão liderada pelos Estados Unidos que combate insurgentes em solo iraquiano.

Entretanto, os militares revelaram duas informações: o disparo foi realizado com o rifle de fabricação americana McMillan TAC-50 a partir de um arranha-céu, e a bala levou apenas 10 segundos para percorrer os 3,54 quilômetros que separavam o sniper do terrorista.

Interrompendo um ataque do Estado Islâmico

Uma fonte militar afirmou ao site The Globe and Mail que o disparo do sniper canadense interrompeu um ataque que o Estado Islâmico estava realizando contra as forças de segurança do Iraque.

Publicidade

O tiro foi dado de forma tão precisa a uma distância tão grande que os terroristas foram pegos de surpresa e ficaram sem entender o que estava acontecendo.

Os membros da Joint Task Force 2 atuam principalmente em missões de contraterrorismo, resgate de reféns e operações envolvendo tiros de precisão. A maior parte das informações a respeito desta unidade militar não é revelada ou sequer comentada pelo governo do Canadá, e os oficiais daquele país divulgaram apenas que os soldados da JTF2 estão no Iraque cumprindo a tarefa principal de treinar forças curdas.

Ainda de acordo com o The Globe and Mail, o disparo preciso do sniper canadense foi possível graças à soma de vários fatores, tais como habilidades de cálculo matemático, ótima visão, excelente treinamento e precisão tanto do rifle quanto da munição usados.

Um militar chegou até a afirmar ao site que o recorde é algo tão incrível que "pode ser que nunca seja igualado". #Guerra #Curiosidades