A Noruega é um país tão avançado que quem visita tem a impressão de que chegou a outro planeta. É tudo limpo e automatizado, as pessoas não colocam lixo nas ruas, o metrô e os ônibus chegam na hora programada, nem um minuto a menos, nem a mais.

Eles tem um sistema exemplar de auxílio a crianças com problemas de adaptabilidade social, o Fosterhjem, que é um ONG que trabalha em conjunto com a segurança social norueguesa, recebendo incentivos para a sua atividade.

O sistema é talvez único no mundo: a organização providencia lares ou famílias adotivas temporárias para adolescentes que tem problemas no relacionamento em suas próprias casas.

Publicidade
Publicidade

Geralmente, porque os pais tem problemas de sociabilidade ou envolvimento com drogas e bebidas.

Famílias comuns podem se candidatar a serem pais adotivos. O adolescente fica na casa de #Adoção, por lei, até completar 18 anos de idade.

Quando o Estado detecta problemas de família disfuncional, onde as crianças são as que mais sofrem, a Segurança Social é a primeira a agir.

Às vezes, são os próprios pais com problemas que entregam os filhos à Segurança Social do Estado Norueguês, que coloca a a #criança num orfanato temporário.

Os Conselhos Tutelares Locais tem propostas de emergência, em que entregam as crianças a lares de adoção no curto prazo e por um curto período de tempo.

Se a família biológica não consegue responder às expectativas da Segurança Social, as crianças são entregues a lares adotivos, em que pais adotam a criança até que cheguem à idade adulta.

Publicidade

Depois daí, o jovem é livre para fazer o que quiser, sempre com o acompanhamento da assistência social.

Em 2007, cerca de 7 mil crianças viviam em famílias substitutas na Noruega. O Estado norueguês supervisiona todas essas famílias adotivas, que devem ter a sua casa aprovada, podendo receber um auxílio do Estado para acolher a criança.

Não necessariamente a família de acolhimento acaba adotando a criança, pois às vezes há uma recuperação psicológica da família biológica, que recebe apoio e tratamento do Estado, se necessário, e consegue reunir as condições para ter os filhos de volta.

No vídeo que vamos ver abaixo, a cena se passa na sala de aula de um desses orfanatos noruegueses e uma criança se dá conta que não há nada em sua lancheira. Ela vai ao corredor, triste, e, quando regressa, algo de surpreendente aconteceu. Veja:

E você, o que achou deste programa de adoção temporária, com acompanhamento dos pais biológicos? Achou uma coisa bem moderna? Comente, sua opinião é importante.