Uma assassina em série, do Canadá, foi encontrada trabalhando como voluntária em uma #Escola primária de Montreal. A mulher foi condenada à pena de cadeia, por seu papel determinante no #Estupro e assassinato de sua irmã e duas outras meninas, na década de 90. Agora, Karla Homolka tem 47 anos e está trabalhando com crianças em uma escola de Montreal, deixando os pais em choque e preocupados com essa revelação.

Em 1993, Homolka foi condenada a doze anos de prisão pelas mortes de Kristen French e Leslie Mahaffy, e de sua irmã Tammy Homolka. A mulher foi considerada culpada por ter ajudado o seu marido, Paul Bernardo, a estuprar e assassinar as três adolescentes.

Publicidade
Publicidade

Os dois mantinham um relacionamento "depravado e sanguinário", de acordo com declarações citadas no jornal The Sun. Homolka foi liberada da cadeia, em 2005, após ter chegado a acordo com os promotores.

Em sua defesa, a mulher sempre disse que estava em um relacionamento abusivo e que também ela era vítima de Bernardo. Negando sempre ser cúmplice desses crimes terríveis, a verdade é que ela foi condenada e considerada culpada, em um caso muito comentado no Canadá.

Depois de ter ficado famosa pelos piores motivos, esta mulher foi reconhecida no seu dia a dia, durante esta semana. O jornal Montreal Gazette descobriu a mulher pegando seus filhos na escola. Quando percebeu a presença dos jornalistas, ela tentou esconder seu rosto e declarou: "Eu não tenho nada para dizer".

Os jornalistas foram possivelmente informados por pais dessa escola, preocupados com essa situação.

Publicidade

Andy Maraj, pai de uma menina dessa escola, disse ao jornal que descobriu sua história depois que um cidadão andou espalhando folhetos informativos sobre a nova colaboradora da escola. Andy contou que já deixou um alerta para sua filha, pedindo à menina para jamais se aproximar dela. "Eu não confio na escola", contou esse pai muito preocupado. Um outro pai, citado pelo CityNews, disse: "Não a queremos aqui".

Um porta-voz da igreja diz que a escola sabe perfeitamente quem é essa mulher e que eles estariam dando uma segunda oportunidade para ela. Apesar do risco aparente, esse porta-voz da igreja que administra a escola, garante que Homolka nunca fica sozinha com crianças, tanto na escola como na igreja.

"É um protocolo para todas as nossas escolas em todo o Canadá, e na maior parte do mundo, de fazer verificações de antecedentes, não apenas em professores, mas também voluntários e clérigos", garantiu o porta-voz. Apesar disso, os pais não ficaram nada descansados depois dessa revelação. Homolka cumpriu sua pena, mas muitos pais consideram que seus filhos estão em risco, com uma "assassina" sendo voluntária perto das crianças. #Crime