De acordo com o Mail Online, o incêndio no prédio de apartamentos em Londres conhecido como Grenfell Tower, que resultou até o momento em 17 mortes confirmadas pelas autoridades, pode ter sido iniciado por causa de uma geladeira defeituosa pertencente a Behailu Kebede, um taxista de origem etíope de 44 anos de idade que morava no quarto andar.

Segundo relato de moradores, Kebede foi a primeira pessoa a avisar que havia fogo dentro do edifício – mais especificamente, na cozinha do apartamento número 16, de sua propriedade. Maryann Adam (41), que era vizinha do taxista, afirmou ao Mail Online que exatamente às 12h50min de terça-feira (13), no horário local, foi acordada por Kebede batendo em sua porta e lhe dizendo que havia um incêndio na residência dele.

Publicidade
Publicidade

Maryann contou que pôde, inclusive, ver algumas chamas saindo da cozinha do etíope, pois a porta do apartamento estava aberta. No entanto, ela complementou que não houve qualquer tipo de alarme por parte do sistema contra incêndio do prédio.

Eshete Meried, amigo de Behailu Kebede, revelou que o taxista conseguiu escapar do edifício em chamas e está em um abrigo temporário. Meried acrescentou ainda que o seu conhecido se encontra em "estado de choque", e não tem condições de falar sobre o assunto no momento.

O Mail Online conseguiu contato com Kebede, e ele apenas confessou que está "muito triste". Quando lhe foi perguntado se o fogo havia de fato começado em sua residência, o taxista não respondeu, alegando que estava ocupado com outros assuntos.

Reclamações de residentes sobre reforma no prédio

Construído em 1974, o edifício Grenfell Tower, de 24 andares, foi recentemente reformado a um custo de £ 8,6 milhões, com o trabalho sendo concluído em maio do ano passado.

Publicidade

Entretanto, o conselho administrativo de Kensington e Chelsea (Royal Borough of Kensington and Chelsea), região londrina onde o prédio se encontra, admitiu ter recebido reclamações sobre as obras feitas por um grupo de residentes que estavam preocupados com questões de segurança envolvendo a construção.

De acordo com o Mail Online, esta associação, conhecida como Grenfell Action Group, afirmou que as suas advertências caíram em "ouvidos surdos". Em novembro do ano passado, inclusive, o grupo havia publicado em seu blog que "apenas um evento catastrófico" iria expor as preocupações dos residentes.

Nesta quinta-feira (15), um porta-voz da Scotland Yard afirmou que as investigações para determinar a causa exata do incêndio continuam em andamento. #Tragédia #Europa