Nesta sexta-feira (9), a Alta Corte de Justiça da Inglaterra decidiu tornar públicas as identidades de um casal de adolescentes que cometeu um duplo assassinato em abril de 2016, quando ambos tinham apenas 14 anos de idade.

Kim Edwards e seu namorado Lucas Markham elaboraram um plano durante dois dias para matar Elizabeth Edwards (49) e sua filha Katie (13) enquanto elas dormiam em seus quartos. O motivo para tal ato de violência seriam os ciúmes que a garota tinha do relacionamento próximo que existia entre sua mãe e sua irmã mais nova.

As identidades de Kim e Lucas estavam sendo mantidas em segredo desde o dia oito de dezembro, e só foram reveladas depois que seus advogados já haviam apelado contra a decisão que estabeleceu a sentença de prisão de 17 anos e meio para os dois adolescentes.

Publicidade
Publicidade

Planejando o assassinato

O #Crime aconteceu na casa de Elizabeth, localizada em Spalding, Lincolnshire, e no dia do delito (13 de abril de 2016) o jovem casal de namorados havia combinado que Lucas bateria três vezes na janela de um quarto para avisar Kim de sua chegada. O garoto escalou a residência a partir do telhado de um galpão, e a menina permitiu sua entrada no local através da janela de um banheiro do andar superior.

Uma vez no interior do domicílio, Kim instruiu Lucas – que havia levado consigo uma bolsa contendo facas – sobre como ele deveria se movimentar no interior da propriedade sem fazer barulho.

Primeiramente, o casal se dirigiu para o quarto onde estava Elizabeth Edwards. O adolescente pegou uma das lâminas – uma faca de cozinha – e esfaqueou a mãe de Kim oito vezes (enquanto a garota assistia a tudo) no pescoço, ao mesmo tempo em que a sufocava com um travesseiro para impedir que ela gritasse por ajuda.

Publicidade

Depois, o rapaz foi até o quarto de Katie, que estava dormindo, e desferiu duas facadas no pescoço dela.

Após o duplo assassinato, Kim e Lucas fizeram sexo em um colchão que se encontrava na sala de estar da casa, tomaram banho juntos, comeram sorvete e assistiram a quatro filmes da "Saga Crepúsculo", com temática envolvendo vampiros.

Durante o próximo dia e meio o casal ainda permaneceu na casa, e notando sua ausência, tanto a tia de Lucas quanto alguns policiais foram até a residência de Kim em busca de informações, já que a essa altura os adolescentes haviam sido dados como "desaparecidos" pela escola que frequentavam.

Entretanto, Kim e Lucas ignoraram as tentativas de contato, e só foram descobertos e presos no interior da propriedade depois que as autoridades forçaram sua entrada na casa através de uma janela localizada no andar térreo.

Ódio profundo

O julgamento dos adolescentes aconteceu no Tribunal da Coroa de Nottingham, e foi presidido pelo juiz Charles Anthony Haddon-Cave.

Publicidade

Durante a deliberação do caso, os jurados ouviram detalhes assustadores do ódio que Kim sentia por sua mãe, e que foram registrados em uma entrevista que ela concedeu a policiais e psiquiatras.

A adolescente afirmou que queria "se vingar" do modo como era tratada, pois não gostava da sua mãe e nem do modo como ela interagia intimamente com sua irmã mais nova. Segundo Kim, Elizabeth sempre favorecia Katie desde que elas eram crianças, o que fazia com que ela se sentisse rejeitada. Entre outras coisas, a jovem criminosa declarou: "Eu não sentia nada pela minha mãe, ela mereceu isso e estou feliz que ela esteja morta".

Relacionamento conturbado

Durante o julgamento, foi revelado também que o relacionamento entre mãe e filha era conturbado. Em 2008, Elizabeth desferiu um tapa contra o rosto de Kim enquanto ela e sua irmã assistiam TV, e as duas meninas foram até tomadas pela justiça inglesa e mantidas sob custódia pelo serviço social do país. No entanto, depois de alguns meses o caso foi arquivado, e Elizabeth teria afirmado que Kim jamais a perdoou por causa do incidente.

A garota começou a namorar Lucas em maio de 2015, e a mãe da adolescente desaprovava a relação. Elizabeth proibiu o rapaz de entrar em sua casa, obrigando-o a se encontrar com sua filha no jardim da residência, e semanas antes de sua morte, a mulher descreveu o casal como "uma bomba relógio esperando para explodir". #Europa