Uma mulher da Flórida está sendo acusada de assassinar um homem. Ela começou por negar as acusações, mas acabou admitindo que a vítima se masturbou na sua frente, no gramado do seu quintal. Alguns parentes e amigos desse homem recusam que essas alegações possam ser verdade e garantem que ele jamas faria uma coisa "absurda" como essa. Jaidan Sinead Zeiders, uma jovem de 26 anos, foi detida na sexta-feira, acusada de ter espancado William Denham até a morte.

O #Crime aconteceu no dia 14 de janeiro, de acordo com o jornal Tampa Bay Times, mas só agora a polícia reuniu provas suficientes para deter uma suspeita. Jaidan Sinead Zeiders foi presa e está sendo acusada pela morte de William Denham, um homossexual que era um trabalhador social.

Publicidade
Publicidade

Acusa vítima de atos indecentes

Depois de ser presa, Jaidan contou para os policiais a sua versão desse incidente. A mulher de 26 anos, de Tampa, contou que William entrou em seu quintal e se masturbou em sua presença. Ela teria ficado muito incomodada com o incidente e pediu a dois amigos que o agredissem, alegando autodefesa. No entanto, ela negou qualquer participação na briga. Jaidan confirmou as agressões, mas negou estar diretamente envolvida na luta.

Amigos negam alegações

A versão de Jaidan está sendo completamente contrariada pelos amigos de William, que garantem que ele jamais faria isso. Eles dizem que isso são "alegações absurdas" e afirmam, com certezas, que ele não se masturbaria na frente de uma mulher. "Ele nunca teria feito isso a ninguém. Quem sabe, quem o conhece sabe disso, e que ele nunca se expõe a uma mulher.

Publicidade

Ele não estava interessado", disse a irmã da vítima, Maureen Tourigian, ao Tampa Bay Times.

Crime por homofobia?

Denham foi encontrado lutando pela vida, jogado na calçada, depois do ataque. Ele ainda foi levado para o hospital St. Joseph, em Tampa, onde mais tarde morreu, por causa dos seus ferimentos, de acordo com a estação de notícias WTVT.

Mais tarde, os exames post-mortem declararam que Denham morreu de um "traumatismo contundente no rosto e no corpo". Os ferimentos fatais foram causados pelas agressões de que ele havia sido vítima. Uma testemunha contou à polícia que ele viu Jaidan Zeiders e dois amigos batendo e chutando a vítima e que durante as agressões, eles os ouviu dizendo a palavra 'pedófilo'.

A polícia já identificou os dois amigos de Jaidan, mas não os deteve, apesar de ela garantir que são eles os únicos responsáveis pela morte desse homem. Ela está presa preventivamente, aguardando por julgamento na cadeia de Hillsborough, com uma fiança de cem mil dólares. Jaidan Zeiders está acusada de assassinato em segundo grau e existe a possibilidade de se ter tratado de um crime de ódio, motivado por homofobia.

O caso vai ser julgado em tribunal, enquanto continuam as investigações policiais. #Homofobia