O pequeno Rodrigo, de 4 anos, é um dos primeiros rostos de uma tragédia sem precedentes em #portugal. São 63 as vítimas mortais, que perderam suas vidas durante um terrível #Incêndio, que mantém bem acesa sua chama destruidora, no Centro do país.

Os números são preocupantes e desoladores, mas a imagem deste menino vai comovendo o país e o mundo. Rodrigo estava fugindo, junto com o tio, quando os dois foram apanhados pelas chamas. Os #pais estavam em Cabo Verde, de lua de mel, e deixaram o filho com a família.

Rodrigo ficou com parentes em Pedrógão Grande, na região de Leiria, enquanto seus pais foram passar uma semana em Cabo Verde, celebrando a lua de mel, uma semana depois de oficializarem a relação com o casamento.

Publicidade
Publicidade

Quando as chamas ameaçaram a aldeia onde Sidel Belchior, de 37 anos, estava vivendo, ele pegou o sobrinho e entrou no carro, tentando fugir das chamas.

Foi na tarde de sábado (17) que vários carros tentaram fugir, mas foram apanhados no meio de duas frentes de fogo, que cercaram a estrada. Sidel e o pequeno Rodrigo foram encontrados, carbonizados, junto do carro.

Trinta pessoas perderam a vida nessa estrada. Alguns foram encontrados dentro dos carros e outros fora, em um cenário de catástrofe que os dias seguintes vão mostrando os rastros e os rostos de uma tragédia inimaginável. Fernanda Alexandra, a avó de Rodrigo, estava em Lisboa, quando ouviu nas notícias sobre o incêndio.

Publicidade

Sem pensar duas vezes, ela entrou no carro e tentou chegar a Pedrógão, onde lhe foi confirmada a morte do neto. "O meu neto Rodrigo não conseguiu fugir do fogo", gritou a senhora, em declarações ao jornal Correio da Manhã.

Nesta segunda-feira (19), o número de vítimas mortais subiu para 63, depois de ser declarada a morte de um bombeiro, que estava internado, no hospital, em estado grave desde sábado. Existem mais quatro bombeiros feridos com gravidade, entre mais de 60 feridos.

Entre as 63 vítimas, o governo português confirma que existe um cidadão francês e todos os outros 62 são portugueses, entre os quais quatro são crianças, com menos de 8 anos. Rodrigo é o mais novo, com 4 anos, tantos quantos Bianca, uma menina que morreu junto com a avó quando tentavam fugir.

O incêndio continua bem ativo e Portugal conta agora com a ajuda dos países vizinhos Espanha, França e Itália. O presidente do Brasil, Michel Temer, telefonou para o presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, oferecendo ajuda aérea.

Publicidade

Uma ajuda que Marcelo adiou, mas que pedirá se as forças não forem suficientes. É esperado que o clima melhore nos próximos dias e que as temperaturas, que estão rondando os 40º, possam baixar um pouco, facilitando o trabalho dos bombeiros.