O diretor executivo da #UBER, Travis Kalanick, renunciou ao seu cargo, nesta quarta-feira​ (21), após acusação de assédio sexual, contra uma funcionária da empresa. Ele está na empresa desde 2009 e fez parte da evolução da Uber, que hoje vale mais de US$ 70 bilhões e está presente em 80 países.

A crise da Uber começou, após a ex-funcionária Susan Fowler, em sua rede social, acusar o diretor de assédio sexual dentro da empresa e também sobre o envolvimento de negociações secretas, que agora estão sendo investigadas. A empresa também é acusada fornecer informações falsas ao setor de regularização de transporte público americano.

Publicidade
Publicidade

Na quarta-feira, após ser muito pressionado pelos investidores da empresa, Kalanick renunciou definitivamente ao seu cargo. "Eu gosto da Uber, mais do que qualquer coisa no mundo​, mas neste momento difícil de minha vida pessoal, aceitei os pedidos dos investidores para me afastar, para que a Uber possa continuar a crescer, em vez de se distrair com mais um confronto."

Além de assédio e divulgação de informações falsas, a Uber é investigada por obter de forma irregular #Tecnologia de carros autônomos que está sendo desenvolvida pela Google.

Funcionários x Uber

Após a renúncia de Kalanick, vários funcionários da Uber fizeram uma petição solicitando que a empresa volte atrás na decisão e que ele seja reativado na empresa. A petição já teve mais de 1,2 mil apoiadores, todos funcionários da empresa.

Publicidade

Segundo eles, a Uber não seria o que é hoje se não fosse Kalanick, que participou completamente de tudo para o crescimento da empresa "Ele trabalhou dia e noite na criação desta empresa, para se tornar o que ela é hoje", diz a petição.

Muitos funcionários da Uber já expressaram as suas opiniões, sobre o pedido de renúncia de Kalanick. A funcionária da Uber Margaret-Ann Seger, em sua conta no Facebook, disse: "O senhor Kalanick é uma inspiração para todos os empresários, eu agradeço a ele por ajudar a empresa a pensar maior, melhor e com maior impacto, como ninguém já mais se atreveu a pensar antes."

A postagem da funcionária teve 700 curtidas, incluindo de Mark Zuckerberg, fundador do Facebook.

A petição

A petição foi idealizada pela diretor de Produto da Uber, Michael York, que foi chamado pelo ex-presidente da empresa Travis Kalanick em 2012 para se juntar a empresa. Kalanick convenceu Michael York a desistir da faculdade aos 18 anos.

York disse que "ninguém é perfeito, mas eu acredito perfeitamente que ele possa evoluir para o líder que a Uber precisa hoje, é que ele é crítico para o sucesso da empresa."

A Uber

A Uber tentou acalmar os seus funcionários.

Publicidade

A equipe de liderança executiva da empresa disse: ‘’Como era de se esperar, as emoções em torno da decisão de Travis são intensas. Nós entendemos isto e é queremos que vocês entendam que ele não tomou esta decisão tranquilamente’’.

E acrescentou: "renunciar agora era a sua maneira de colocar a Uber em primeiro, como ele sempre fez. Travis deu mais a esta empresa do que ninguém. Ele teve um impacto significativo em todo o mundo e em várias pessoas na Uber. Por isso, agradecemos por tudo, em nome de todos." #Polêmica