Com aproximadamente 97% das votações apoiando a junção, de acordo com resultados perto do fim, o país #Porto Rico optou por ser tornar o 51º estado dos #Estados Unidos. O referendo foi realizado neste domingo (11), mas foi amplamente recusada pelos adversários e tendo uma pequena presença popular: somente 22,7% dos 2,2 milhões de pessoas no país que podem votar se deslocaram das suas casas para dar sua contribuição com a pauta.

Esse desfecho, no entanto, era esperado, tendo em vista a recusa dos partidos Popular Democrático (PPD) e Independentista Porto-riquenho (PIP) em participar do processo, afirmando que a pauta não passa de "uma fraude", porque a consulta feita ao povo não é inerente ao país norte-americano.

Publicidade
Publicidade

Contudo, Ricardo Rousselló Nevares, governador de Porto Rico, antiga colônia espanhola que passou a ser território dos Estados Unidos no fim do século X19, saiu em defesa da população que votou e disse que iria atender o desejo deles em Washington e nos tribunais estrangeiros.

"Apelaremos para os tribunais estrangeiros para resguardar o prestígio de que Porto Rico faça parte do país norte-americano como o primeiro país de língua espanhola", afirmou Nevares, acompanhado de sua de mulher Beatriz Areizaga García, na cidade de Guaynabo, que fica a Oeste da capital, San Juan .

O país caribenho é uma ilhota que os norte-americanos tiraram da Espanha e assumiram em 1898. No entanto, no ano de 1952, os Estados Unidos lhe atribuíram à condição de “Estado livre independente”, o que dá determinados privilégios para a população, como, por exemplo, a condição de cidadão norte-americano e a livre circulação nos Estados Unidos, além de possuir uma certa liberdade política.

Publicidade

Todavia, o cidadão comum da pequena ilha não está apto a participar das eleições para presidente, a não ser que more nos Estados Unidos.

A população de Porto Rico é representada na Câmara e no Senado somente por um delegado consultivo, não tendo direito ao voto. São os Estados Unidos que decidem os assuntos que envolvem o país.

Na última consulta em 2012, a superioridade dos votantes afirmou permanecer insatisfeito com a situação que está. No entanto, até agora não houve uma mudança e Ricardo Nevares quer apostar ainda em uma modificação.

Em meio aos motivos que induziram a essa votação está a dura crise econômica que o país atravessa desde o ano de 2006. Porto Rico desfrutava das enormes corporações seduzidas por isenções de tributos, porém esses privilégios foram extintos em 2006, fazendo com que a economia disparasse rumo à ruína. #Referendo