Uma sessão de #sexo químico terminou em tragédia, depois que o parceiro dominante adormeceu, deixando o #Amante submisso morrendo com uma máscara de gás. Kevin Adams, de 52 anos, está sendo julgado no tribunal de Bristol, na Inglaterra, acusado de negligência, depois que um inquérito foi aberto para investigar a morte de Dohoon Kim, de 36 anos, que morreu quando estava mantendo #Relações íntimas com ele.

Uma relação perigosa que eles mantinham à margem dos relacionamentos que tinham. Os dois se encontravam uma vez por mês para jogos sexuais que envolviam drogas e produtos químicos, e que se revelou fatal para um dos amantes.

Publicidade
Publicidade

No tribunal, foi revelado que Kim estava em um relacionamento de longa duração com o namorado e eles até morava juntos. Porém, ele mantinha esse relacionamento extraconjugal com Kevin Adams. Os dois haviam consumido metanfetamina e GBL, o que poderia ter contribuído para a sonolência de Adams.

De acordo com o jornal britânico Mirror, o sexo químico é praticado por homens homossexuais, que ficam consumindo drogas duras, durante as relações, que por vezes se prolongam durante dias.

Nesse caso, Kim estava usando uma máscara de gás e estava amarrado pelo pescoço, pulsos e tornozelos. Porém, a tragédia aconteceu quando Adams supostamente adormeceu, deixando o parceiro nu e amarrado no chão.

O homem estava rodeado de brinquedos sexuais e tinha uma corda presa em seu pescoço, que estava fechando suas vias aéreas.

Publicidade

De acordo com o resultado da autópsia, essa foi a causa da morte.

Adams teria acordado horas depois do sexo, quando Kim já não respondia. O homem chamou os serviços de emergência, que ainda socorreram a vítima, mas já nada havia a fazer para salvar a sua vida.

Kim estava em um relacionamento desde 2009 com o namorado, identificado no tribunal como Ciccone. Ele sabia que seu parceiro estava se encontrando com outros homens para atos sexuais extremos, como teria acontecido nessa noite com Kevin Adams.

"Um exame pós-mortem mostrou que a causa da morte foi a restrição de suas vias aéreas e os efeitos das drogas que ele tomou", disse o promotor Adam Feest, no tribunal. Apesar disso, Kevin Adams nega as acusações de homicídio.

Ele está sendo acusado de ter falhado na assistência a seu amante, depois de ter contribuído para uma "situação perigosa e potencialmente fatal" durante essa atividade sexual mais arriscada.

Adam Feest considerou ainda que as pessoas têm o direito de se envolverem em relações mais perigosas, mas devem saber que isso traz consigo uma responsabilidade para os envolvidos. "Digamos que o réu falhou nesse dever. Ele deixou Kim amarrado pelo pescoço e pés no chão, com uma máscara no rosto e drogas em seu corpo, enquanto ele adormeceu nas proximidades", afirmou o promotor. O julgamento segue no tribunal de Bristol.