Um ato macabro, testemunhado no metrô do Bronx, em Nova Iorque (EUA), na última quinta-feira (1), por volta das 14h30, comoveu a imprensa norte-americana. Na ocasião, Jessica Mixon, 25 anos, foi autora de um #Crime bárbaro, motivado após ela discutir, pelo telefone, com o pai da criança.

A mulher, mãe de um menino de 2 anos, foi observada jogando o carrinho do bebê, com ele dentro, nas escadarias do metrô do Bronx - bairro pobre de Nova Iorque. O crime repercutiu nos principais jornais e emissoras dos Estados Unidos e até mesmo na Inglaterra – confira as manchetes.

De acordo com a testemunha John Smith, a cena era assustadora.

Publicidade
Publicidade

Segundo ele, o bebê, além de gritar de dor, ficou gravemente ferido após ser lançado nas escadarias. “Caiu o olho, o nariz sangrando, o sangue estava saindo da boca, a cabeça estava sangrando", disse à ABC NY.

Segundo a polícia, Jessica, que não tem casa e vive em abrigos, estava emocionalmente descontrolada. Autoridades relataram que ela gritava não se importar mais com o bebê. A jovem ainda admitiu o crime. “Sim, joguei o bebê pelas escadas, você pode tê-lo. Eu não quero o bebê”, disse.

Apesar de ferida, a criança foi encaminhada para o Hospital Lincoln, onde teve os ferimentos tratados. Até o momento, não há notícias se o menor foi levado a um abrigo, ou se continua sob os cuidados da polícia.

Já, a mãe, passou por avaliação psicológica no Bronx Lebanon Hospital. Ainda de acordo com John Smith, que presenciou o episódio, depois dela jogar o próprio filho pelas escadas, permaneceu imóvel, de frente para o carrinho acidentado, tecendo comentários depreciativos sobre a situação.

Publicidade

“Ela continuou dizendo: Eu não me importo com o bebê. Eu não o quero", frisou Smith.

Apesar de não haver novas informações sobre o estado mental de mulher, a imprensa noticiou que ela foi presa por abandono imprudente e agressão ao menor.

Por enquanto, o paradeiro do menino de 2 anos é uma incógnita. Não há informações se ele foi entregue a algum familiar ou para o centro de adoção.

Porém, esteja onde estiver, com certeza ele estará em segurança. Afinal, a pessoa que deveria protegê-lo foi a primeira a lhe mostrar o aspecto cruel da existência.

Contudo, tomara que a partir de agora, a criança também conheça o lado bom da humanidade, como o amor e o altruísmo, para quando crescer, escolher o caminho da luz e ajudar outros nas mesmas condições, quando esses cruzarem seu caminho.

#Curiosidades #EUA