A família da australiana Justine diz que ainda está lutando para enfrentar a realidade de sua morte.

Em um comunicado divulgado à filial da CNN, Sky News Australia, os familiares de Justine estão desolados. O assassinato da #Mulher por policiais no sábado (15), apenas alguns minutos depois dela tentar denunciar um possível ataque sexual às autoridades deixou os familiares chocados. "Ainda estamos tentando entender essa tragédia e estamos lutando para sobreviver a isto. Assimilar como e por que isso pode acontecer", afirmou a família na declaração.

Embora os investigadores digam que pode demorar até o final do processo, a família quer saber o que aconteceu "o mais rápido possível" para que eles possam ter uma sensação de conclusão.

Publicidade
Publicidade

Eles terão que esperar por respostas, mas, por enquanto, querem seu corpo de volta ao país, para sua casa."Tudo o que queremos fazer é trazer Justine para a Austrália para despedir-nos dela em sua cidade natal entre familiares e amigos.

Justine, de 40 anos, era original da Austrália, mas se mudou para os Estados Unidos em 2014. Formou-se como veterinária e mais tarde tornou-se um instrutora de ioga e coach de vida , a mulher estava planejando se casar no próximo mês.

Um apelo à justiça

Alguns dos documentos do caso foram compartilhados com a família de Justine, disse a membro da Câmara Municipal, Linea Palmisano, mas os parentes na Austrália estão pedindo mais respostas agora. "É inexplicável. Os nossos corações vão para a família", disse o primeiro-ministro australiano, Malcolm Turnbull, no show "Today" da Australian Channel 9 na quarta-feira.

Publicidade

"Quero dizer, como uma mulher na rua em pijama pode pedir ajuda à polícia para ser atingida assim? É uma matança chocante". O pai de Justine fez um apelo emocional pela justiça. "Justine, nossa filha, foi tão especial para nós e para muitos outros", disse John Ruszczyk a jornalistas na Austrália. "Justine era um farol para todos”. Só pedimos que a luz da justiça resolva as circunstâncias de sua morte.

Primeiras pistas

As chamadas de emergência lançadas pela polícia oferecem algumas das primeiras pistas sobre o que pode ter levado a polícia a atirar em Justine. Ela denunciou para os policias na noite de sábado um possível ataque sexual perto de sua casa, segundo as transcrições divulgadas quarta-feira pela cidade. "Posso ouvir alguém, não tenho certeza se ela está tendo sexo ou sendo estuprada", disse Ruszczyk na primeira ligação.“E acho “que ela acabou de gritar” ajuda “, mas é difícil saber. O som está acontecendo por um tempo, não acho que ela esteja gostando da relação", disse Ruszczyk. O responsável disse que a polícia estaria lá em breve. #policial #Mundo