Seu nome variam de região para região (bagulho, haxixe, marola, beck, erva, marijuana e por ai vaí...), no Brasil é conhecida por todos como '#maconha' e pode ser fumada como cigarro, bebida como chá, ou ainda colocada em comidas como bolo, ou ser usada para algum tratamento medicinal ou fumada em cachimbos.

Essa planta contém uma substância tão poderosa chamada de 'tetrahidrocanabinol' (THC), que ao depender da forma de como é usada pode causar efeitos psicológicos, doenças ou apenas leves sensações físicas como euforia, sentimento demasiado de felicidade, perda de coordenação motora, da fala e temporária de inteligência, alucinações, grandes oportunidades de desenvolver câncer de pulmão, bronquites e etc.

Publicidade
Publicidade

Por outro lado, de maneira medicinal ela serve para importantes tratamentos como convulsões, enxaqueca, glaucoma, esclerose múltipla, síndrome de Tourette, déficit de atenção, alzheimer, síndrome pré-menstrual, câncer, etc.

Trata-se de uma droga alucinógena e ilícita que altera a maneira como a sua mente compreende o mundo em que vive. No Brasil, a polêmica gira entorno da sua legalidade e dos bens e males que ela causa.

Está semana duas notícias causaram admiração e espanto em muitas pessoas.

A primeira notícia foi da venda liberada de maconha, de produção controlada, nas farmácias do Uruguai. A lei 19.172, aprovada em 2013, entrou em vigor como uma forma estratégica para combater as drogas introduzidas ilicitamente no país. A lei contêm mais dois capítulos que legalizam o cultivo próprio de no máximo seis plantas e os clubes canábicos.

Publicidade

O cidadão consumidor só terá acesso a compra após registrar-se no Instituto de Regulação e Controle do Cannabis (IRCCA) e ser residente legal no país. Cada pessoa terá direito a consumir 10 gramas por semana, o valor de cada embalagem de cinco gramas será de 187 pesos, aproximadamente R$ 20,60. Para os uruguaios a penúltima semana de julho de 2017 será um grande marco histórico graças às vendas da maconha nas farmácias, e aos 4.959 cidadãos já inscritos no IRCCA.

A segunda noticia ‘’bombástica’’ veio da Suíça com sua venda em supermercados, em pacotes com 20 cigarros de maconha. Muitos países aderiram à legalização da maconha

  • Portugal: em 2001 se tornou o primeiro país do mundo a descriminalizar todas as drogas.
  • Holanda: liberado o uso em áreas designadas para fumantes, cofeeshops. As pessoas geralmente fumam em suas pausas de trabalho e em momentos de happy hour.
  • Argentina: desde 2009 que se pode fumar maconha dentro de casa, tendo restrições de não poder transportar, vender ou cultivar.
  • Austrália e Estados Unidos: decidiram descriminalizar o uso de maconha em alguns estados e em outros caracterizaram o uso como ilegal.
  • Canadá: o modo recreativo é ilegal já o medicinal é legal e as pessoas podem fumar tranquilamente em locais públicos.
  • Chile: é considerado legal quando a pessoa tem para uso pessoal (5-10 gramas), planta em casa apenas para seu consumo e o utiliza de maneira medicinal.
  • Colômbia: legalizada desde 1994, na qual, cada cidadão tem o direito de ter até 22 gramas. Ilegal cultivar mais de 20 plantas.
  • Coréia do Norte: totalmente legalizada, as vendas acontecem até em supermercados.
  • Espanha: São em torno de mais de 500 “clubes de maconha”. Sua legalização permite que as pessoas cultivem e consumam dentro de sua residência.
  • Jamaica: A posse de até 57g não é considerado como crime e o cultivo para fins religiosos é permitido até 5 plantas.
  • México: é legal possuir até 5 gramas.
  • Peru: Pode fumar em qualquer local e fazer o que quiser, menos vender.

O Brasil entra em grandes atritos quando o assunto é maconha.

Publicidade

Opiniões se dividem e o país continua leigo sobre o assunto. #liberacaodamaconha #maconhanomundo