Uma mulher morreu após ser atingida por uma árvore no momento em que estava caminhado pela rua ao lado de sua residência, na cidade de Doordarshan, na Índia. O incidente aconteceu na manhã da última quinta-feira (19). Imagens divulgadas nas redes sociais mostram o momento exato em que a vítima [VIDEO] foi atingida pelo coqueiro. Todo o incidente foi gravado por uma câmera de segurança próximo ao local do #Acidente. A vítima foi identificada como Kanchan Nath, de 58 anos, que sofreu ferimentos graves depois que a árvore caiu sobre ela.

A jovem ainda foi socorrida por populares , mas morreu na manhã de sábado (22), confirmou seu marido identificado como Rajat.

Publicidade
Publicidade

As filmagens mostram a mulher, que era ex-apresentadora de TV e professora de ioga, no momento exato em que foi atingida, durante sua caminhada. Nas imagens também é possível ver quando a jovem é retirada por testemunhas que estavam próximas ao local.

Segundo um policial que não quis se identificar, a vítima estava com vários ferimentos pelo corpo e inconsciente no momento em que foi levada pelas testemunhas para uma unidade médica da localidade, onde ficou internada por dois dias, mas não resistiu e acabou morrendo

Veja o #Vídeo do momento exato em que a vítima é atingida pelo coqueiro

Familiares da vítima culparam a Corporação Municipal de Brihanmumbai (BMC) pela #Morte, alegando que o corpo cívico tinha negado a permissão para retirar o coqueiro que caiu sobre a esposa. Ainda de acordo com o esposo da mulher, os funcionários ignoraram o pedido para cortar a árvore.

Publicidade

Nath disse que vai processar o BMC por "negligência criminal".

“A população exigiu durante vários meses que o BMC a cortasse, mas eles ignoraram nosso pedido. Foi um duplo risco para mim, já que a polícia de Chembur não registrou nada sobre a minha alegação de negligência criminal. Mas eu e os alunos da minha esposa estamos determinados a levá-los ao tribunal”, disse o marido de Kanchan.

O marido disse ainda que a árvore estava em uma área perigosa e que havia feito uma solicitação adequada às autoridades cívicas em fevereiro de 2017 e até havia depositado uma taxa de 1,380 rupias para custear os cortes das árvores.

A corporativa local Asha Marathe, entretanto, escreveu uma carta ao deputado comissário municipal para iniciar um inquérito sobre o assunto e agir contra o responsável civil.