Um homem no Tajiquistão foi acusado de levar sua esposa ao suicídio em meio a alegações de que ele a pressionou a fazer testes de virgindade e depois exigiu uma segunda noiva, após alegar que os resultados foram alterados. A vítima foi identificada pelas autoridades locais como Rajabbi Khurshed, de 18 anos, que tirou a própria vida bebendo uma dose letal de vinagre, após 40 dias de ter se casado com Zafar Pirov, de 24 anos. Segundo informações, o #Casamento da jovem foi arranjado pelos seus pais. Esse tipo de casamento é muito comum na localidade.

De acordo com a imprensa local, antes do casamento, a jovem tinha passado por um exame pré-nupcial requerido pelo governo, incluindo um teste de virgindade.

Publicidade
Publicidade

O acusado relatou que mesmo a esposa tendo feito um teste de virgindade, ele levou ela para fazer mais dois testes, mas ele não acreditou nos resultados e expulsou a vítima, alegando que ela não era mais virgem. Por sua vez, a família da vítima revelou que sua filha disse a eles em seu leito de morte que ela estava sob forte pressão para aceitar as condições do esposo, pois ele estava querendo arrumar uma segunda esposa.

Segundo o acusado, a vítima tinha lhe deixado uma declaração relatando que ela não era mais virgem e ele poderia ter uma nova esposa. "Minha esposa me deu uma declaração escrita de que ela me permite obter uma segunda esposa porque ela não era virgem quando nos casamos", disse Zafar Pirov. A mãe da vítima, identificada como Fazila Mirzoeva, relatou que não se conforma com a morte da filha, acrescentando que ela estava sendo vítima de uma de "calúnia e violência", e pediu ajuda ao presidente do país, Emomali Rahmon.

Publicidade

Ela disse que sua filha nunca teve namorado e nunca teve relações sexuais com ninguém. Acrescentando que a filha tinha abandonado a escola para ajudar a cuidar de seus dois irmãos incapacitados. Segundo o portal Daily Mail, o acusado pode enfrentar oito anos de prisão se for considerado culpado de levar a esposa ao suicídio. Apesar da jovem passar pelos testes e obter um certificado de médico da sua virgindade, bem como os outros dois testes, o esposo da jovem continuou a pressionar sua noiva e exigir que ela revelasse a "verdade".

Testes de virgindade para as mulheres antes dos casamentos são comuns no Tajiquistão, onde o sexo antes do casamento é inaceitável. A partir de 2015, se tornou obrigatório que homens e mulheres sejam submetidos a exames médicos antes de um casamento, mas, para as mulheres, isso geralmente inclui um teste de "pureza". Ainda de acordo com o portal, há cerca de 600 processos judiciais referentes a litígios de virgindade no Tajiquistão desde 2014. #Crime #Casos de polícia